O ‘mistério’ sobre o público alvo da orientadora teatral, Priscilla Toscano, foi oficialmente divulgado. A moça, que costuma realizar ‘protestos artísticos’ pelas ruas de São Paulo, foi contratada por edital há cerca de dois meses para ministrar orientação teatral para jovens a partir de 14 anos de idade.

Essa informação pode ser comprovada no próprio blog do projeto, que é administrado pela Secretaria de Cultura da Cidade de São Paulo. Não há limite de idade e o programa oferece outras modalidades de cursos gratuitos, como música e dança.

O nome de Priscilla foi divulgado dia 11 de março no Diário Oficial do Município de São Paulo, onde foi convocada para a contratação, encontrando-se em 25ª colocação da lista com mais de cinquenta nomes.

Publicidade
Publicidade

Em contato com o Programa, foi possível descobrir que Priscilla daria aulas às quartas e sextas-feiras, por três horas cada dia, totalizando seis horas semanais, onde ficaria locada, inicialmente, à um teatro municipal localizado na região da Penha.

Entretanto, no dia 17 de maio, o programa Radio Atividade, da Jovem Pan, entrou em contato com o teatro que a moça deveria dar aulas e descobriu, por intermédio de um funcionário, que ela nunca apareceu para trabalhar e também não havia informações sobre a funcionária.

Ao tentar buscar mais informações com o Centro Cultural da Penha, via telefone, a orientação é que busque contato diretamente com a Secretaria de Cultura, que por sua vez, não passa informações sobre os funcionários.

Ainda no dia 17 de maio, o advogado Júlio Casarin protocolou uma ‘notificação extrajudicial’, a pedido de Alexandre Frota e Marcelo Reis, do Revoltados On Line, a fim de pedir que o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, conferisse informações sobre a funcionária polêmica.

Publicidade

Até o momento do fechamento dessa matéria, não houve divulgação oficial do grupo, da prefeitura, do advogado, de Alexandre ou de Marcelo sobre uma eventual resposta à solicitação.

Na pior das hipóteses, a mesma moça que defecou em público sobre a foto de um deputado federal; que independentemente de alguns grupos gostarem ou não, representa o Estado e os cidadãos enquanto exerce o mandato; não dá aulas para crianças. Ainda que, hipoteticamente, a moça tenha sido transferida para outro local e a prefeitura preferiu manter sigilo sobre a transferência, seus alunos são adolescentes e adultos, capazes de discernir o certo do errado. Também não há informações se a moça decidiu pedir demissão ou se foi demitida após o protesto.

Para assistir ao contato do programa da Jovem Pan com o teatro, dê o play aqui embaixo.

A pergunta agora é: Será que a orientadora se desligou da secretaria, foi transferida ou ainda está recebendo mesmo sem trabalhar? Essa resposta virá com o tempo ou não, mas até lá, deixe um comentário com a sua opinião sobre o caso. #Educação #Viral #Protestos no Brasil