A Justiça Federal de Mato Grosso do Sul expediu mandado de prisão para seis pessoas, entre advogados e empresários acusados de fraudes envolvendo o recebimento de precatórios. Uma pessoa foi presa em São Bernardo do Campo, na Grande São Paulo, no início da tarde desta quarta-feira (29). Dois carros do modelo Land Rover foram apreendidos pelos oficiais. 

Também foram realizadas buscas em Diadema, São José dos Campos, São Paulo, Jundiaí, São Luís e Teresina. 

Batizada de Operação Lázaro, em alusão ao personagem bíblico que volta à vida, estima-se que a fraude causou prejuízos da ordem de R$ 10 milhões. O dinheiro foi utilizado para a compra de imóveis de luxo, carros importados e viagens aos exterior. 

Inicialmente, o dinheiro era depositado em contas de terceiros, que sacavam as quantias para os estelionatários. 

Lei Rouanet

Na terça-feira (28), uma outra operação da PF foi acionada, desta vez tendo como objetivo o desmonte de um esquema de captação e desvios de recursos da chamada Lei Rouanet.

Publicidade
Publicidade

Mais de 50 mandados foram cumpridos em várias cidades paulistas, em Brasília e também no Rio de Janeiro. 

Segundo o Estadão, diversas empresas estão envolvidas em um esquema que operava há quase duas décadas e pode ter causado o prejuízo de R$ 170 milhões. 

Entre as companhias citadas pela Justiça estão grandes corporações como Scania, KPMG, Roldão e Intermédica Notre Dame. A operação recebeu o nome de "Boca Livre". 

Eventos artísticos, shows corporativos e até livros foram produzidos com verba oriunda da Lei Rouanet. O desvio ocorria justamente pelo fato de tais projetos nunca terem saído do papel. Investigações também apontam para superfaturamento ou emissão de notas fiscais falsas. 

A Justiça Federal já teria inabilitado outras pessoas jurídicas suspeitas que aguardam aprovação por parte do Ministério da Cultura para captar recursos destinados a novos projetos culturais. 

Os responsáveis podem ter pena fixada em mais de 10 anos de prisão.

Publicidade

Os representantes das empresas citadas ainda não se pronunciaram a respeito das investigações em andamento.  #Polícia Federal #Grande ABC