Nesta segunda (6) dois homens foram presos por estuprar mulheres na grande São Paulo. Um deles é o DJ Marcelo Gonçalves Martins, de 40 anos, e o outro é o taxista Fábio Honorato da Silva. Segundo relatos da polícia, o DJ atraía mulheres pelas redes sociais com ofertas de trabalho em eventos. O #Crime acontecia quando ele ia buscá-las e o estupro ocorria em seu veículo.

Uma das vítimas de Marcelo chegou a contar que ele lhe ofereceu R$220 para ela trabalhar em uma suposta casa de shows na Zona Sul e sua função seria recepcionar os convidados. Depois de pegar confiança total no criminoso, a mulher foi abusada sexualmente em seu carro. “Ele tinha ingerido álcool, parou em um estacionamento de mercado e abusou de mim sob ameaça de uma faca”, disse a mulher violentada.

Publicidade
Publicidade

Uma outra mulher disse ter sido abusada por Marcelo quando ele foi a buscar de moto e como o crime foi interrompido pela vítima, ele a deixou em uma rua desconhecida. “Eu falei que não, não! Ele olhou para mim, deu uma risada, subiu na moto e me deixou ali”, afirmou.

Já no fim de semana, o taxista Fabio Honorato também foi preso, acusado de ter estrupado uma passageira inglesa. A turista estava em um restaurante e pediu um táxi pelo aplicativo “99 Táxi”. Depois disso o criminoso a levou para uma rua deserta e a atacou. Após ser violentada, a jovem inglesa pediu para o motorista a levar para casa onde vive há dois anos. Ao deixar o carro, ela registrou a foto da placa e ainda levou o preservativo utilizado pelo criminoso como prova.

O taxista foi localizado em um posto de gasolina logo após ter sua placa rastreada pelo aplicativo. Fábio confessou o crime e disse ter tido relação sexual de forma consensual com a vítima.

Publicidade

A empresa 99 Táxi disse já ter bloqueado o motorista e que está à disposição para qualquer ajuda nas investigações. Na delegacia, a mulher passou muito mal ao revê-lo.

Atualmente, Fábio Honorato está preso no 91.° Distrito de Ceagesp onde aguarda julgamento. Já Marcelo Gonçalves está detido na 102.° DP e o delegado responsável pelo caso é Osvany Zanetta Barbosa. Em depoimento, ele disse acreditar  que o DJ já agia desse modo há um ano na Zona Sul de São Paulo e também em Taboão da Serra.

  #Investigação Criminal #Casos de polícia