Um político muito conhecido em todo Brasil se envolveu em uma manifestação e acabou sendo preso durante a manhã desta segunda-feira (25). Suplicy atualmente concorre a uma vaga como vereador na capital paulista. O político foi levado pela Polícia Militar, ele prestou esclarecimentos por volta de três horas e depois foi liberado.

De acordo com informações da polícia, Suplicy não obedeceu a uma ordem do oficial de justiça e precisou ser levado do lugar por oficiais, acusado de obstruir a justiça.

O ex-senador estava junto com os manifestantes que protestavam contra uma reintegração de posse. Suplicy ficou deitado na rua impedindo os oficiais de realizarem seu trabalho, precisando ser tirado à força do local.

Publicidade
Publicidade

Depois que foi liberado da delegacia, Suplicy afirmou que se deitou na rua na tentativa de evitar que não houvesse confusão entre os moradores que manifestavam contra a reintegração de posse. Segundo o político, ele queria evitar uma cena de violência que estava por vir devido aos ânimos alterados de todos. "Não acredito que houve abuso (policial) porque eu próprio disse a eles: 'Se quiserem, me levem'", explicou o ex-senador.

Um dos filhos de Eduardo Suplicy usou seu perfil da rede social para comunicar que o pai está passando bem.

Reintegração de Posse

O processo de reintegração de posse ocorreu em uma comunidade localizada próxima à rodovia Raposo Tavares, onde trezentos e cinquenta famílias vivem. O terreno público é pertence à prefeitura da capital paulista. Segundo informações do prefeito Haddad, o território ocupado pelas famílias está em área de risco, não podendo permitir que essas pessoas continuassem vivendo naquele local.

Publicidade

Em um gesto desesperado, os manifestantes colocaram fogo com o intuito de não permitir que os oficiais de justiça e a polícia se aproximassem do lugar. Os moradores também incendiaram parte de um ônibus.

A situação ficou mais complicada com a chegada da tropa de choque. Agentes usaram bomba de gás lacrimogênio e de efeito moral. Os manifestantes revidaram com pedras. A reintegração foi determinada pela justiça e as pessoas foram comunicadas antecipadamente sobre a desocupação.

Confira o vídeo:

#Casos de polícia