No último final de semana, um assassinato brutal e covarde deixou a zona leste de São Paulo chocada. Anderson Alberto Percílio, de 39 anos, tirou a vida de sua esposa, Gerusa Percílio, de 45 anos, com golpes de marreta.

No domingo, Gerusa, que era pedagoga e missionária da igreja evangélica Quadrangular, tinha passado o dia todo na casa de familiares após voltar de uma viagem de missão.

A missionária era engajada em projetos de resgate de dependentes químicos e apoio aos familiares. Segundo amigos e membros da igreja, ela era uma pessoa muito bondosa, preocupada e atenciosa. E ainda participava como orientadora do grupo das criancinhas da Quadrangular. 

Gerusa criou o grupo de recuperação de dependentes químicos "Celebrando a Vida", que acolhia, orientava e buscava o resgate do mundo das drogas de cerca de 180 membros, além de proporcionar apoio às famílias.

Publicidade
Publicidade

Ela sempre acreditou que o amor, a força e a fé, poderiam resgatar essas vidas, trazendo a recuperação e a melhoria na vida de toda a família. Porém, o mesmo ela não conseguiu fazer com seu marido.

O casal, que não tinha filhos, estava junto há 10 anos e desde o começo do relacionamento, ela lutava para resgatar o marido da dependência química, segundo relatos de parentes.

Foram muitas internações e recaídas, porém ela nunca o abandonou, pelo contrário, sempre ofereceu apoio e acreditou na vontade que ele dizia ter em sair do mundo das drogas.

O casal, apesar de todos esses prolemas, mantinha uma rotina calma, sem brigas ou discussões. Segundo o depoimento de familiares, o casal se amava demais e estava sempre junto. 

Na noite do #Crime, após a missionária chegar em casa no começo da noite, o marido pegou o carro e saiu.

Publicidade

Ela, cansada como estava da viagem, tomou banho e foi se deitar. Acabou dormindo e não viu o marido voltar. Anderson retornou para casa somente de madrugada, totalmente drogado. Ao ver a esposa na cama dormindo, pegou uma marreta e a golpeou na cabeça. O golpe foi fatal.

Em seguida, ele ligou para o irmão dele relatando que havia assassinado a esposa. O irmão, desesperado, ligou para a polícia, que atendeu a ocorrência imediatamente. Ao chegarem na casa, os policiais encontraram o marido sentado no sofá e, ao lado dele, a marreta ensanguentada. A esposa já estava morta, deitada na cama. De acordo com informações passadas, ela não viu nada, porque estava dormindo. 

Anderson ainda tentou atacar os policiais, porém foi detido e levado à delegacia, onde ficou preso.

O que mais entristece a família e todo o grupo do qual ela participava, e era referência de amor e compaixão, é o fato de Gerusa ter ajudado tantas pessoas e seus familiares e não ter conseguido fazer com que seu marido largasse o vício e, infelizmente, ter uma morte tão prematura e trágica. #Violência #Comportamento