A Folha desse domingo, 10, abordou o caso de uma professora de comunicação da Faculdade de Tecnologia de Barueri, região metropolitana de São Paulo, que sentiu-se humilhada após alunos não concordarem com as ideologias explicitadas em sala de aula, divulgando-as nas redes sociais através do grupo 'Escola Sem Partido'.

A professora disse que os alunos e o criador do ESP começaram a ‘persegui-la’ pela rede, no ano de 2013. O idealizador do ESP, Miguel Nagib, já foi processado por dois professores que se sentiram lesados por terem seus materiais ideológicos expostos na internet. Nesses casos, a #Justiça determinou que os textos fossem retirados dos sites e redes sociais do grupo.

Publicidade
Publicidade

Em publicação de 2014, feita no Facebook, Nagib divulga os materiais usados pela professora na sala de aula, que segundo as divulgações, se resumem em crtiicar o conservadorismo e a classe média e que, por sua vez, seriam as causadoras das desigualdades sociais no país.

Segundo a professora, as divulgações fizeram com que ela tivesse que se licenciar das aulas, pois recebia ligações com ameaças e críticas. A educadora processou o criador do grupo na época e, há três meses, houve a última movimentação do processo, quando a ministra do STF, Cármem Lúcia, acolheu o embargo de declaração solicitado pela parte processada.

O que é escola sem partido?

O movimento integrado por alunos, pais e professores e que conta com páginas, grupos e blogs pela internet, objetiva conferir um ensino neutro, ou seja, sem que um professor defenda ou instigue os alunos a defenderem a bandeira de um partido ou sistema político.

Publicidade

A iniciativa surgiu após a maioria das universidades e escolas públicas terem profissionais levantando a bandeira de partidos e filosofias de esquerda, o que gera atritos dentro das instituições de ensino.

O movimento ‘Escola sem Partido’, que possui uma página com o mesmo nome no Facebook com quase cinquenta mil seguidores, não almeja propagar uma visão direitista aos alunos e professores, mas sim, evitar que qualquer doutrinação partidária ocorra dentro das dependências de instituições de ensino básico ou superior. #Educação #universidade