Prestes a receberem uma notificação do pedido de prisão preventiva anunciado por Hellmeister, delegado que cuida do caso de #Patrícia Lélis, os advogados Rebeca Novaes Aguiar e Roberto da Gama Cidade, devem apresentar junto a corregedoria da polícia civil, um pedido de afastamento do delegado, que não estaria respeitando o princípio da imparcialidade.

A defesa de Lélis reclama de fotos que circulam nas redes sociais, onde testemunhas do caso estariam ao lado de Luís Roberto Hellmeister. A advogada Rebeca, também afirma que o delegado não quis ouvir Patrícia quando ela compareceu na delegacia de polícia para depor.

Em sua defesa, Hellmeister deixa claro que foi Patrícia quem não quis falar no depoimento, apenas alegando que sua versão é verdadeira e que provará tudo o que já disse anteriormente.

Publicidade
Publicidade

O delegado não acredita na versão da moça, devido inúmeras provas já obtidas e que desmentem os fatos narrados pela suposta vítima.

Contradição

Patrícia tem contado versões diferentes do caso desde que começou a denunciar os supostos crimes sofridos. No último fim de semana, a psicóloga e palestrante, Marisa Lobo, emitiu uma nota oficial esclarecendo fatos levantados pela estudante e que citam o seu nome. Junto com os esclarecimentos, Marisa divulgou alguns prints de conversas que teve com Patrícia pelo WhatsApp no período de seis dias. Segundo ela e as mensagens divulgadas, Patrícia acusava Feliciano de abuso, mas não queria ir à polícia, buscando de todas as formas um meio de incriminar o deputado e recuperar algum suposto lugar ou respeito dentro do PSC.

Ao contrário do que a estudante de jornalismo e alguns meios de comunicação noticiaram, Patrícia nunca foi filiada ao Partido Social Cristão.

Publicidade

Essa informação foi divulgada em nota oficial do próprio partido, que também anunciou que manteria #Marco Feliciano como líder da sigla na Câmara dos Deputados.

Em prints divulgados por Marisa Lobo e também em imagens anteriores que podem ter sido disponibilizados pelo próprio deputado, Patrícia ameaça ir até os partidos de esquerda contar o caso, pois segundo palavras dela própria. ‘Eles iriam adorar saber do caso’. #Casos de polícia