Na última sexta-feira, 5, a jornalista #Patrícia Lélis, de 22 anos, fez um boletim de ocorrência contra Talma Bauer, assessor do deputado federal, #Marco Feliciano. A moça afirmou que Bauer a teria mantido em cárcere privado, além de proferir ameaças e lhe agredir para que gravasse vídeos desmentindo as acusações feitas no início da semana passada.

Após essa afirmação, sites e internautas confrontaram imagens do Instagram da moça, que mostravam ela em clima de descontração com os amigos durante o período em que dizia estar em cárcere. O perfil de Lélis no Instagram foi colocado em modo privado após a repercussão dos fatos.

Publicidade
Publicidade

No sábado, Marco Feliciano gravou um vídeo para se defender e esclareceu que Talma nunca foi preso, mas que prestou depoimento e foi liberado em seguida. Também se colocou à disposição da polícia para esclarecer os fatos e apresentar provas a seu favor. Alguns prints com nudes e ameaças que teriam sido enviadas por Patrícia ao deputado, vazaram na internet.

Depoimentos contraditórios

Patrícia disse à polícia que foi vítima de uma tentativa de #Estupro no dia 15 de junho, mas só agora, quase dois meses depois, decidiu procurar a polícia. A moça acusa Talma Bauer de tê-la mantido em cárcere no quarto do hotel para gravar os vídeos em que desmente as acusações.

Os vídeos divulgados na internet foram produzidos em ambientes externos e não em um quarto de hotel. O primeiro foi no banco de trás de um carro e o segundo em um ambiente aberto, onde a moça segura a câmara e fala ao mesmo tempo.

Publicidade

Assista-os abaixo:

 

A jornalista afirma que veio para São Paulo em busca de emprego. Já um amigo da moça, que veio de Brasília com ela, afirma que o motivo da viagem seria receber um valor alto em dinheiro. Uma quantia de R$20 mil foi apreendida pela polícia.

Lélis se hospedou no hotel San Rafael, em São Paulo, e pediu para não ser identificada. Quando Bauer chegou, segundo ele, a pedido da própria jornalista, se identificou na recepção mostrando o seu cartão. Patrícia foi informada e desceu para atendê-lo. O contato aconteceu no saguão, de forma amistosa e descontraída, conforme registrado pelas câmeras de segurança.

Bauer conta que Patrícia disse estar sem dinheiro e pediu para ele pagar a sua diária, que custou em torno de R$200. Não há imagens do assessor entregando os R$20 mil, mas o amigo da jornalista diz que esse valor foi pago para gravar um vídeo. Patrícia não está de acordo com a versão do amigo e permanece com as acusações.