Ivo Ferreira de Oliveira, de 49 anos, subtenente da polícia militar de São Paulo, foi preso nesse sábado (20), indicado por estupro e homicídio qualificado de uma jovem, Janaína Santos, de 28 anos. O policial foi encaminhado para o Presídio Romão Gomes.

Janaína Santos morava em Sete Barras, e trabalhava em Registro como vendedora. Imagens de uma câmera de monitoramento da segurança de uma loja, em frente ao seu local de trabalho, registraram a jovem saindo e um carro seguindo ela. Logo depois, as imagens mostram a jovem entrando dentro do carro; depois, a jovem desaparece.

A bolsa com os pertences da jovem foi encontrada em baixo da Ponte Itopamirim, local situado entre a divisa de Registro e Sete Barros, alguns dias depois do sumiço.

Publicidade
Publicidade

O policial Ivo Ferreira, suspeito de ter cometido o #Crime, também morava em Sete Barros e trabalhava em Registro. Por esse motivo, os investigadores apontam que Ivo conhecia Janaína. O criminoso foi apontado após um trabalho de perícia técnica, afirma o delegado que preside o caso, Marcelo Freitas, da Delegacia de Investigações Gerais (DIG).

Marcelo Freitas explicou que já tinha a informação prévia de que o policial militar Ivo Ferreira era o autor do crime. Disse ainda que, quando o policial foi chamado para dar depoimento, caiu em muitas contradições. No final, acabou confessando o crime. Contudo, não deu muitos detalhes do ocorrido. O delegado relata que o policial militar não expressou reação ao relatar os fatos, sendo extremamente frio.

As roupas que o policial usou no dia do crime e o carro foram apreendidas.

Publicidade

O criminoso tentou disfarçar o carro mudando as rodas, mas não foi o suficiente, pois foi encontrados sangue da vítima dentro do carro do policial militar.

O delegado informou que, quando encontrado, o corpo da jovem já estava em estado de putrefação. Todavia, foi possível identificar sinais de ferimentos oriundos de violência física. Contudo, o delegado ainda aguarda o resultado final do laudo da perícia. O caso foi resolvido em menos de 30 dias. Foi decretada a prisão temporária do policial, que aguarda o julgamento no Presídio Romão Gomes. #Assédio Sexual #machismo