Ficou agendada para dia 26 de agosto (sexta-feira), às 14 horas, na Praça da República na capital paulista, a assembleia de #Professores da rede estadual de São Paulo, organizada pela Apeoesp, o Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo.

A assembleia terá como eixos centrais o reajuste emergencial do salário de 16,6%, para repor a inflação acumulada desde julho de 2014, data do último reajuste salarial dado aos educadores paulistas. Os professores defenderão também a implementação da meta 17 no PNE (Plano Nacional de Educação). Essa meta defende a equiparação salarial do profissional de educação com os outros profissionais com formação em nível superior.

Publicidade
Publicidade

A Lei do Piso (Lei nº 11.738 de 16 de julho de 2.008) também será defendida. Atualmente, o governo Geraldo Alckmin (PSDB/SP) não cumpre com a mesma, não respeitando a jornada de trabalho dos professores, que deveriam ficar com os alunos por apenas 2/3 de sua jornada semanal e hoje esse número não é respeitado, os professores passam 4/5 de sua jornada em sala de aula.

O protesto contra a “reorganização escolar” volta à pauta. Educadores reivindicam a reabertura de salas de aula fechadas, pelo governo tucano e desmembramento de salas superlotadas, além de defender a redução do número de alunos por salas de aula, reivindicando assim a garantia ao emprego.

Além destes itens, a assembleia terá em sua pauta melhores condições de trabalho, gestão democrática, convocação de todos os concursados (PEB I e PEB II), contra a reforma da previdência do governo interino (Michel Temer) e ao projeto “Escola sem Partido”.

Publicidade

A assembleia contará com discussões e debates relacionados à atual conjuntura #Política e com o que pode ser prejudicial aos alunos e educadores. A questão da venda de campos do Pré-sal deverá estar na discussão, afinal os royalties de exploração seriam usados como investimento para as áreas de saúde e educação. A Apeoesp também confirmou participação no ato das Centrais Sindicais, que ocorrerá no mesmo dia (26 de agosto), às 10 horas. #Greve