O empresário, investidor e ex-apresentador João Dória, candidato à Prefeitura de São Paulo pelo #PSDB, está vendido em sua empreitada política depois de provocar um racha na sigla.

Nesta sexta-feira (23), um terço da cúpula municipal peessedebista entregou seus cargos na executiva do partido em represália à chapa João Dória/Bruno Covas à prefeitura paulistana.

Em comunicado intitulado "Nota dos Tucanos Autênticos da Cidade de São Paulo" apresentado à presidência da sigla e publicado na imprensa, sete dos principais diretores tucanos expressaram indignação ao que classificaram de "falso novo", em comparação ao idealismo e valores históricos partidário de Tancredo Neves e Mário Covas, alguns dos fundadores da legenda.

Publicidade
Publicidade

Elói Estrela, presidente municipal do "Tucanafro" - ala de filiados peessedebistas afrodescendentes -, Rita de Cássia Sanches, secretária-geral e Gláucio Lima Franca, tesoureiro do partido, são os principais nomes entre os sete dissidentes do PSDB.

Para justificar a negativa à candidatura de Dória, os dirigentes citaram que o empresário representa tudo o que o partido sempre repudiou, desde a sua fundação.

Essa não é a primeira divisão no partido tucano já que, anteriormente, outro grupo, o "Peessedebistas Autênticos", manifestou publicamente apoio à candidata Marta Suplicy, do #PMDB. Na ocasião, os pertencentes foram suspensos por decisão do diretório estadual da legenda.

O estopim de toda a divergência está nas prévias internas do partido que provocou o descontentamento dos aliados do vereador Andrea Matarazzo que, após disputa e derrota para João Dória, acabou deixando o PSDB.

Publicidade

Atualmente no Partido Social Democrático (PSD), Matarazzo é vice na chapa de Marta Suplicy.

Aliados de Geraldo Alckmin, membros do diretório estadual peessedebista foram criticados no comunicado entregue pelo segundo grupo de dissidentes tucanos. Eles foram acusados de serem omissos nas apurações de denúncias de abuso de poder econômico, compra de votos na campanha do afilhado do governador, nas prévias, abuso de poder político e propaganda irregular.

O texto lembra que os fundadores do partido aprenderam o sentido e os valores da palavra 'lealdade' com o saudoso governador Mário Covas e que, por isso, não podem votar em Dória.

Presidente do PSDB municipal, Mário Covas Neto declarou que ficou decepcionado com a reação dos dissidentes, especialmente quanto à debandada de Gláucio e Rita de Cássia que, certamente, seguirão em apoio a Matarazzo. #Eleições 2016