Na última semana, a policia militar flagrou um caso completamente diferente da rotina normal de trabalho.

Tratava-se de uma família com aparência muito simples da cidade de Caçapava, interior de São Paulo, que, após pedir para encher o tanque de Diesel de sua caminhonete, entregou ao frentista para pagamento papéis em branco, dizendo que seria o dinheiro.

Após acionar a polícia, o gerente do posto de combustível, Bruno Trevisoli relatou: "Na hora que o frentista foi receber, eles entregaram um papel quadrado em branco. Na hora ele veio me chamar e disse que tinha algo estranho. Fui até lá e falei que precisavam pagar, mas eles insistiam que o papel em branco era dinheiro.

Publicidade
Publicidade

Achei até que alguém estava brincando comigo, mas era sério".

O valor total do abastecimento chegou a R$115,00.

Após a chegada da polícia militar e da insistência da família de que aquele “dinheiro” era real, o combustível abastecido foi retirado da caminhonete e devolvido ao posto de combustíveis que, através de seu representante, preferiu não prosseguir à delegacia e registrar um boletim de ocorrência acerca do fato.

O casal e a senhora que os acompanhava disseram à polícia que aqueles papéis seriam sagrados e por isso valiam como dinheiro. Em vídeo divulgado na internet, a senhora, que estava no banco traseiro do veiculo, chega a mostrar a carteira com vários pedaços de papel ao policial militar que indaga se aquilo seria uma brincadeira de mau gosto, ou se fosse verdade, poderia até mesmo dar-lhes voz de prisão.

Publicidade

Após a confusão, a família religiosa foi liberada sem o combustível e sem pagar.

Nesse emblemático caso verifica-se a dificuldade da própria polícia em identificar se a situação tratava-se de uma tentativa de estelionato ou de pessoas com algum tipo de problema psicológico.

Não se pode descartar ainda a questão religiosa que, para alguns, é levada de maneira extremamente assídua e, no caso em tela, por se tratar de uma família com aparência extremamente simples e tranquila, a todo momento da ocorrência, não demonstrou qualquer tipo de preocupação em serem detidos. #Religião #Casos de polícia #Humor