Um homem de 64 anos de idade, que estava casado há 45 anos, teve a coragem de matar a esposa, de 62 anos, e depois tirar a própria vida. O mais estranho é que pelas informações repassadas pela própria filha, o homem premeditou tudo.

Ele teria procurado uma #funerária e deixado todos os papéis necessários prontos antes de cometer o #Crime, por isso a filha acredita em premeditação. Foi a filha quem encontrou os corpos dos pais quando foi buscar a mãe em casa. A avó, que possui mal de Alzheimer e morava com os idosos, estava caída no chão, enquanto os corpos dos progenitores estavam cada um em um quarto.

Segundo a mulher, seu pai tinha transtorno bipolar, era um louco e totalmente transtornado, e fazia uso de remédios.

Publicidade
Publicidade

A avó passou por atendimento médico e está bem, sob o cuidado de outros familiares. 

Os vizinhos do casal ficaram chocados e surpresos, pois os mesmos aparentavam se dar muito bem e só saiam de mãos dadas nas ruas. Mas a filha deixou claro que eles tinham problemas, e que apesar da bipolaridade, a mãe gostava muito do marido e achava que ele podia mudar com o tempo.

A investigação do crime está sob a responsabilidade do 4º Distrito Policial da cidade de Piracicaba.

Crimes envolvendo pessoas da família têm aumentado

É assustador o número de crimes familiares que estão acontecendo no Brasil e no mundo inteiro. Vemos também pessoas tirando a vida de vários integrantes da própria #Família, sem sequer haver uma justificativa plausível para isso.

Nos últimos dias, ganhou as mídias o caso de um homem que matou a esposa, os dois filhos e se suicidou em seguida, a princípio pelo motivo de não se achar capaz de sustentar a família.

Publicidade

Vemos muitos casos também de crimes passionais, onde o parceiro, ou mesmo a parceira, não aceitam o fim do relacionamento e se acham no direito de tirar a vida da outra pessoa. Essa semana aconteceu um caso em Minas Gerais onde um homem de 31 anos matou a ex-esposa, de 18 anos, da ex-sogra, de 50 anos, e cometeu suicídio em seguida.

A pergunta que fica é: onde vamos parar?