Duas adolescentes sofreram estupro coletivo por 3 dias na cidade de Paulínia, que fica a pouco mais de 100 km de São Paulo, sendo que uma delas tem 14 anos e a outra 15. Após terem sido sequestradas, as duas foram mantidas em cárcere privado e foram estupradas durante todo o período em que foram mantidas como reféns. As famílias foram à polícia denunciar os criminosos, mas acabaram sendo ameaçadas.

Marco Antônio Evangelista, delegado responsável pelas investigações, informou que em setembro uma das garotas recebeu um convite de seu ex-namorado. Ele queria encontrar com ela para ter uma conversa e pediu que ela fosse até uma residência, onde poderiam se ver com mais tranquilidade.

Publicidade
Publicidade

Assim que a garota saiu da escola, passou no local informado, estando acompanhada de uma amiga, e lá elas foram recebidas por 5 homens. Elas foram obrigadas a ingerir bebida alcoólica, fazer uso de drogas e, em seguida, foram estupradas.

De acordo com o depoimento das adolescentes, elas desmaiaram e quando acordaram tentaram ir embora, mas foram impedidas. Por 3 dias elas permaneceram trancadas e foram sendo estupradas várias vezes ao longo deste período. Os homens iam se revezando nas relações sexuais e só no terceiro dia é que elas finalmente conseguiram fugir e foram direto para a polícia.

O #Crime aconteceu no dia 12 de setembro, só que no dia 27 de setembro, quando as duas adolescentes saíram da escola, um homem parou um veículo próximo a elas, as obrigou a entrar no carro e as levou para uma casa onde elas ficaram presas e tomando somente água, sem comer nada.

Publicidade

Nesse período, as garotas foram obrigadas a enviar mensagens para seus familiares pedindo para eles tirarem a queixa na polícia, do contrário eles não as veriam novamente.

Os policiais continuaram na investigação e descobriram onde elas se encontravam, mas chegando ao imóvel já não tinha mais ninguém. As duas adolescentes foram deixadas em uma praça.

Até o momento, a polícia prendeu o dono do imóvel onde elas ficaram presas e mais três homens também foram detidos, mas eles alegam que não tiveram envolvimento com os sequestros. As investigações prosseguem e o delegado acredita que pelo menos 10 homens estejam envolvidos nos dois crimes. #Estupro #Casos de polícia