Infelizmente, no mundo de hoje, ninguém está livre da violência, até mesmo nos lugares onde a segurança devia existir, ela não existe. Muitos pais acreditam que, dentro das escolas, os filhos estão seguros, mas temos visto tantos casos distintos de violência que não sabemos mais o que esperar.

Vemos casos de crianças sendo violentadas sexualmente por professores dentro do ambiente escolar, crianças e adolescentes sendo agredidos fisicamente por quem deveria educar e proteger e também violências acontecendo entre os próprios estudantes.

Um caso desse tipo de violência em #Escola foi registrado nesta sexta-feira (7), na Escola Municipal de Ensino Esmeraldo Traquínio, na cidade de Santos, em São Paulo, onde um estudante atacou mais de 30 crianças com idades entre 10 e 12 anos.

Segundo informações da Secretaria de Educação da cidade, o estudante levou uma lanceta, que é uma espécie de #Agulha injetável, usada para medir glicose e espetou os colegas no fim da aula.

A lanceta usada pelo menino para furar os colegas era de uma avó do mesmo.

Publicidade
Publicidade

Os pais do estudante e os órgãos competentes da cidade foram acionados pela equipe gestora da unidade de ensino e as crianças passaram por exames médicos para saber se foram contaminados com algum tipo de doença.   

A Secretaria de Educação da cidade informou que, independente do resultado que der nos exames pelos quais os alunos atacados passaram, os mesmos continuarão a receber assistência a médio e longo prazo.

Violência em escola

Recentemente, um caso de violência em ambiente escolar foi registrado na cidade de Belo Horizonte, em Minas Gerais. Duas crianças de 2 e 4 anos foram atacadas por uma funcionária do local. A mulher, que também é mãe da dona da unidade educacional infantil, esfaqueou os meninos, pois eles teriam visto a mesma pegando biscoitos do lugar. 

Na época, foi falado que a mulher sofria de problemas psicológicos e teria tido um surto no dia do #Ataque.

Publicidade

Por sorte, as crianças não se feriram gravemente. Elas foram encaminhadas para um hospital da cidade e receberam alta uns dias depois.