Localizado na zona central de São Paulo, no popular bairro do Bom Retiro, o Hangar 110 se tornou uma espécie de “templo” da cena de música alternativa paulistana, e também do país. Fundado em outubro de 1998, o Hangar 110 foi o palco de bandas iniciantes e que posteriormente, se tornaram conhecidas, caso de CPM 22, Hateen, Dead Fish, Dance of Days e inúmeras outras, sempre com espaço aberto para o circuito underground, independente do gênero, fosse ele punk, metal, hardcore, rock, etc.. Por isso, é com preocupação que muitos recebem a notícia de que o já histórico espaço encerrará em breve.

Apelidado de CBGB brasileiro (importante casa de #shows punk e hardcore americana, responsável por acolher os Ramones e toda a cena rocker de New York), no dia em que se comemorava, numa festa, os 18 anos do Hangar 110, seu proprietário Marco Badin ("Alemão"), anunciou em um vídeo, que foi publicado por um usuário da rede social Facebook, que, infelizmente, o ano de 2017 será “ a última temporada da casa”.

Publicidade
Publicidade

Hangar 110: templo do punk e underground brasileiro

No vídeo, “Alemão” justifica o fim da mais tradicional e importante casa de shows alternativos de São Paulo devido as dificuldades de se manter relevante em um momento onde as pessoas preferem acompanhar tudo pela internet, ao invés de irem até o local, presenciar o show ao vivo das bandas.

Ele também atentou ao fato de, hoje, grande parte das bandas terem perdido a principal essência do punk, que era a diversão antes de tudo. “Alemão” é categórico ao afirmar que hoje se montam bandas para fazer “sucesso”.

Confira o vídeo com o triste anúncio: 

Repercussão sobre o fim do Hangar 110

A repercussão foi instantânea. Frequentadores do local, membros de bandas que já passaram por lá, e muitas pessoas de outras cidades e estados se pronunciaram a respeito, lamentando o cenário atual e convocando até mesmo uma força tarefa, no sentido de manter a casa de pé e funcionando.

Publicidade

Se o Hangar 110 de fato, fechar definitivamente suas portas, não perde apenas o já tão abandonado circuito alternativo e cena underground. Perde também a cultura na cidade de São Paulo, e de todo país, deixando todos adeptos desta cena órfãos e ainda mais carentes de espaços para tocar e dar vida a novas bandas. #Hangar110 #Entretenimento