O atentado contra o policial assustou os moradores e pessoas que estavam presentes no local. Quatro homens encapuzados foram visualizados pelas câmeras de segurança de um edifício, quando se dirigiam para um salão de beleza a fim de matar o PM. O #Crime aconteceu na zona leste de São Paulo, na cidade Antônio Estêvão de Carvalho, na manhã desta última segunda-feira (03), em um salão de cabeleireiros, na rua Biri.

O policial militar estava de folga e foi atacado pelo grupo, sem poder se defender. Ao que tudo indica o crime foi premeditado. A caça ao policial foi registrada em imagens, que gravaram o momento que os homens encapuzados entraram no estabelecimento para matar o PM.

Publicidade
Publicidade

É possível ver que eles se dirigem para o salão de beleza e pouco tempo depois começam a atirar. Os bandidos saíram correndo do local e conseguiram fugir antes de serem presos e identificados pela polícia. Ao final da ação os criminosos ainda roubaram a arma do policial. Nenhum deles chegou a ser preso após o atentado e a polícia investiga o crime.

Os bandidos compareceram ao local do crime por volta de quatro horas da tarde, e alvejaram o PM que estava à paisana com tiros a queima roupa. Eles não anunciaram assalto, ou tiveram qualquer outro tipo de interação com os presentes, ao que parece não foram ao estabelecimento para roubar. As investigações apontam que a execução tenha sido planejada, pois os bandidos pareciam saber exatamente a hora em que o policial militar estaria no salão. Segundo a corporação que ainda segue à procura do grupo, os quatro estavam armados.

Publicidade

O PM foi socorrido por uma equipe dos Serviços de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), e levado para o pronto atendimento do Hospital Santa Marcelina, mas ao que parece já chegou lá sem vida. Foi realizado boletim de ocorrência do 64º Distrito Policial de São Paulo, e agora o caso passa a ser investigado pela divisão de homicídios. Será preciso entender se o grupo já conhecia o homem, ou se foram mandados por alguma outra pessoa para realizar a execução.

E ainda se a gangue faz parte de algum grupo de milícia, ou facção criminosa. As pessoas presentes no local do crime ficaram extremamente assustadas, e sem entender o que estava acontecendo. A polícia agora trabalha com as imagens para conseguir identificar os bandidos. #Investigação Criminal