Uma festa terminou em tragédia na zona sul de São Paulo. Uma jovem de 21 anos, decidiu ir em uma balada com as amigas, no período da noite, mas por conta de um vizinho que não aceitou ser rejeitado por ela, nunca mais voltou para casa.

Fabíula havia sido casada por vários anos e dessa união, teve 3 filhos, dois meninos, de 6 e 4 anos, e uma menina de 2 anos. Separada a dois anos, a moça costumava sair, às vezes, com as amigas, para poder dançar e se distrair. A jovem estava muito feliz, pois tinha arranjado um emprego de cozinheira em uma escola. Em uma noite como qualquer outra, ela foi com as mesmas amigas em uma festa que acontecia em Parelheiros, zona sul de São Paulo.

Publicidade
Publicidade

O que a moça não esperava, era que seu vizinho, Dênis, estava lhe seguindo e decidido que naquela noite, ele ficaria com ela.

Segundo o depoimento das testemunhas, Dênis ficou um bom tempo ao lado de Fabíula, na festa, sempre sendo dispensado. Ela deixava claro que não queria ficar com ele e que insistir não mudaria a sua decisão. Em determinado momento, Dênis começou a ficar irritado, mas por não ser bem visto na região onde ocorria a festa, procurou discutir com a vítima de maneira discreta, sem chamar a atenção dos demais frequentadores do local.

Quando ele quis ir embora com a moça, mesmo com a recusa da vítima, uma das amigas de Fabíula deixou claro: “Viemos juntas e vamos voltar juntas!”. Dênis ficou mais irritado e uma nova discussão começou. Na hora de ir embora, Dênis abordou as moças, agrediu a amiga de Fabíula e começou a agredir a vítima.

Publicidade

A amiga correu para pedir ajuda, quando retornou, Fabíula havia desaparecido.

Por quase dois dias a família ficou em desespero a procura da moça, até que o seu corpo foi localizado em um matagal, enforcada com a própria blusa e com sinais de abuso sexual. Dênis cometeu o #Crime, chegou em casa e pegou o carro da mãe, tomando rumo que ainda é desconhecido pela polícia. Mas o assassino não foi sozinho, levou com ele sua namorada, de apenas treze anos de idade.

Três mães, três dores!

A mãe de Fabíula, Maria, está inconsolável. Ao ser abordada pela imprensa, ela desabafa: “Ele matou minha menina... eu preferia ter morrido no lugar dela... ele deve ter judiado da minha menina antes de matá-la, esse desgraçado”. Maria acredita que o crime foi premeditado, pois já havia notado que Dênis rondava a sua casa nos últimos dias.

A mãe de Dênis, Kátia, quando soube o que o filho fez, em meio a lágrimas, afirmou: “Pra mim ele morreu. Não quero mais saber dele. Pra mim ele está morto e enterrado”. Dona Kátia afirma que o filho sempre lhe deu dor de cabeça e já foi preso, mais de uma vez.

A mãe da adolescente que desapareceu com Dênis, Márcia, também falou com a imprensa.

Publicidade

Ela afirma que foi contra a relação da filha com Dênis e que proibiu o namoro, deixando claro que ainda que ele fosse um rapaz trabalhador, o que não era o caso, não permitiria um namoro, pois sua filha era muito nova. Segundo a mãe, a garota ficou muito revoltada. Márcia fez um apelo na TV: “Dênis, pelo amor que você tem em Deus, liberta a minha filha, solta ela em algum lugar”. Ainda não se sabe se a jovem fugiu espontaneamente ou se foi ameaçada por Dênis. A polícia teme que Dênis também cometa algum crime contra a menor de idade.

Testemunhas da discussão entre Dênis e Fabíula afirmam que ele dizia que estava armado. A adolescente e o assassino seguem desaparecidos e as famílias, em especial a de Fabíula, que também era mãe, encaram a difícil missão de seguir em frente. #Violência #Casos de polícia