Na tarde deste último sábado (22), a estudante de direto Mariana Angélica, de 22 anos, foi morta a tiros pelo ex-namorado Wellington Landim durante um evento de formatura em São José dos Campos, São Paulo. O homem era policial e entrou na festa armado; logo após atirar na jovem, se matou. Imagens foram gravadas durante a festa de formandos, e mostram os dois juntos e abraçados comemorando pouco tempo antes do #Crime. A estudante e o PM, que estava de folga, foram namorados e tinham uma relação bastante conturbada.

Os dois participavam do evento em uma chácara no bairro Vila Rossi, na Zona Norte da cidade. Durante a festa, o casal teria começado uma discussão e o policial acabou atirando na garota.

Publicidade
Publicidade

Quando os serviços de socorro e a polícia chegaram, a jovem já tinha morrido no local, assim como o ex-companheiro, que se matou logo em seguida.

Medida protetiva não parou o criminoso

O casal esteve junto por cerca de três anos. Em janeiro deste ano haviam terminado o relacionamento, contudo o PM não aceitava o fim do namoro. Ele chegou a ameaçá-la e, na época, a estudante procurou na justiça uma medida protetiva contra ele. A jovem teria procurado a polícia dizendo que estava sofrendo retaliações por parte dele, e em fevereiro registrou uma ocorrência relatando ter dado fim à relação, pois teria descoberto traições por parte dele.

Na época, Wellington teria mandado mensagens a uma amiga da jovem dizendo que não aceitava o fim e que daria tiros nela, pois estava fixado com essa ideia. A Justiça soltou uma medida de proteção contra o PM em abril, dizendo que o homem não poderia ter contato e se aproximar de Mariana ou algum de seus familiares em uma distância menor que trezentos metros.

Publicidade

Cena irreal

As pessoas que também estavam no local da festa e testemunharam o crime disseram parecer irreal a cena. Tudo teria acontecido muito rápido. No vídeo gravado durante o evento, eles aparecem juntos, ele vestindo camiseta cinza, e ela blusa preta e shorts jeans. Para muitos que presenciaram o assassinato não parecia real, não houve gritos, ou correria, todos ficaram atônitos e sem acreditar no que estaria acontecendo.

O crime teria ocorrido já no final do churrasco, e até as equipes de socorro chegarem houve um pequeno tumulto. Segundo os registros e investigação da polícia, os dois chegaram juntos ao local, e durante uma discussão o PM disparou dois tiros contra a jovem e depois se matou. A Polícia Civil ainda investiga o crime, e a arma usada foi apreendida. 

Os seguranças da festa teriam pedido a Wellington que não entrasse armado no evento, mas ele teria dito que tinha direito à posse da arma e já havia comprado o ingresso da festa. O corpo da estudante foi enterrado no domingo (23), na zona sul da cidade, em um momento de muita tristeza para amigos e familiares.

#Violência #Investigação Criminal