A manhã desta sexta-feira (18) foi mais violenta na Zona Oeste de São Paulo.

Desde a madrugada, os moradores do bairro João 23, que preparavam-se para ir ao trabalho, ouviram intenso tiroteio. Bandidos fortemente armados que fugiam da polícia entraram numa casa na rua Padre João da Cunha, por volta das 6 horas, e fizeram a moradora de 54 anos de refém.

Depois de troca de tiros, que inclusive acertaram a casa invadida, policiais do Grupo de Operações Táticas (Goe) assumiram o controle das negociações no local para a liberação da refém e a rendição dos criminosos. Um advogado dos suspeitos foi chamado no local e auxiliou no acordo para a liberação da dona da casa.

Publicidade
Publicidade

Ao todo foram 12 bandidos acabaram se rendendo, por volta das 7 h. Mais 13 foram presos, contando com um bandido que foi capturado nas imediações. Quatro deles precisaram de atendimento por terem sido baleados nas pernas. Por causa do confronto, dois policiais saíram baleados, um na mão e outro na perna, mas ambos estão fora de perigo. Nenhum refém foi ferido.

Os bandidos tentaram se esconder na casa após tentarem roubar uma agência do banco Santander, localizada na Granja Viana, no município de Cotia, próximo à Rodovia Raposo Tavares, que liga a capital paulista ao interior do Estado.

Na fuga, eles encontraram com os policiais na estrada e houve perseguição. Não se sabe como os marginais conseguiram entrar na casa. A polícia teve dificuldade de arrombar o primeiro portão de acesso ao imóvel.

Publicidade

Os bandidos estavam armados com fuzis. Além disso, duas granadas foram lançadas nos imóveis vizinhos. E foi identificado ainda mais um artefato explosivo. Eles não chegaram a ser detonados e já foram neutralizados pela polícia especializada.

Após a operação seis fuzis e coletes à prova de balas foram apreendidos pelas equipes. Segundo as autoridades que acompanharam o caso, os bandidos se utilizaram inclusive de carros blindados, o que demonstra que se trata de uma quadrilha é especializada em assaltos a instituições financeiras.

#Crime #Casos de polícia