Belarmino de Ascensão Marta, 80 anos, ficou 31 dias preso em um cativeiro. No dia 8 de outubro, ele foi sequestrado quando estava em um restaurante na região da rodovia Anhanguera, na cidade de Louveira, São Paulo. Logo quando chegou ao restaurante, Belarmino foi surpreendido por três homens que o raptaram usando um carro Nissan Livina que era clonado.

A equipe da Delegacia Especializada Anti-#sequestro de Campinas (DEAS) encontrou o homem em uma casa que foi usada como cativeiro, no bairro de Parelheiros, localizado na zona sul de São Paulo. O idoso disse que sofreu grande tortura psicológica, disse que houve um momento em que os sequestradores utilizaram uma serra elétrica ligada para ameaçá-lo de morte. O quarto em que estava preso era pequeno e não tinha luz solar, apenas grades de proteção. 

Belarmino Ascensão é empresário dono da transportadora Sambaíba que realiza rotas envolvendo cerca de 780 mil pessoas por dia.

Publicidade
Publicidade

Também é dono da Rápido Luxo, da Lirabus que realiza rotas até os aeroportos de Viracopos, Congonhas e Cumbica e também da Viação São José. 

A DEAS com o apoio da Delegacia Anti-sequestro (DAS) conseguiu localizar o paradeiro da vítima, nesta última segunda-feira (07). Três dos sequestradores acabaram presos e dois deles estão no momento foragidos. Após a Polícia Civil fazer uma ação e estourar o cativeiro onde se encontrava o refém, os três homens foram imediatamente levados pela polícia. Não foi necessário pagar o dinheiro do resgate, o valor pedido era R$ 20 milhões.

De origem portuguesa, o empresário chegou ao Brasil no ano de 1952, começou trabalhando com sua família vendendo verduras no mercado municipal aos 14 anos de idade. O Grupo Belarmino se tornou a segunda maior transportadora do Brasil, ele iniciou com sua família no ramo caminhões, no qual ele transportava verduras para Santos e Rio de Janeiro.

Publicidade

Com a demanda do mercado, Belarmino passou a se interessar por frotas de ônibus quando os antigos bondes foram deixados de lado e o início de rotas realizadas por ônibus entraram no mercado. #Ameaça #Crime