Uma história bastante surpreendente mobilizou policiais da Delegacia Sede de Praia Grande, no litoral paulista.  Um rapaz deu queixa de que foi estuprado por uma mulher desconhecida. A vítima, de 21 anos, conta que  o #Crime ocorreu no último dia primeiro, terça-feira passada, quando ele voltava da faculdade para casa.

Ele estava desembarcando de um ônibus na cidade, mais precisamente no bairro Vila Tupi, quando se deparou com a acusada. A mulher desconhecida o abordou e disse para o rapaz que acabara de romper um relacionamento amoroso com outro homem e que precisava de consolo. Na sequência ela o ameaçou. Afirmou que se o jovem não mantivesse relações sexuais com ela naquele momento, ela iria acusá-lo de #Estupro

A Polícia Civil colheu o depoimento e todas as informações que ajudem no paradeiro da desconhecida para esclarecer o caso.

Publicidade
Publicidade

Ainda fez diligências durante esta sexta-feira (4), na tentativa de juntar mais elementos que possam apontar a identidade da suposta estupradora. No trabalho de investigação foram solicitadas pelos investigadores responsáveis pela ocorrência as imagens de câmeras de segurança, instaladas nas imediações onde a abordagem teria ocorrido.

A polícia acredita que as cenas poderão auxiliar no trabalho pois, ainda segundo a vítima, a acusada exigiu que as relações sexuais fossem consumadas em via pública. Inicialmente, ela teria tentado obrigar o rapaz a ir para a residência dela. Desistiu no percurso, exigindo que o ato se consumasse no meio da rua, indo para atrás de um carro e se despindo.

Uma vez nua, ela voltou a lhe ameaçar e dizer que se ele não a possuísse, chamaria a polícia e diria que o jovem abusou dela.

Publicidade

Na delegacia, o rapaz afirmou que a suposta agressora parecia estar sob efeito de álcool.

O rapaz decidiu procurar a polícia para dar queixa depois que contou tudo à mãe. Na delegacia os policiais classificaram o caso como incomum.

O delegado Alexandre Comin disse à imprensa que o estudante ainda foi levado ao Hospital Irmã Dulce. No local, conforme protocolo médico em casos de estupro, foi administrado um coquetel de remédios antirretrovirais. #Casos de polícia