O trabalho do Ministério Público Estadual juntamente com a Polícia Civil de #São Paulo, culminou em uma força tarefa para prender 41 pessoas, nesta terça-feira (22), que seriam suspeitas de envolvimento com uma facção criminosa que atua fora e no interior dos presídios paulistas. Nomeada de Ethos, a operação, que foi deflagrada às 06h00 da manhã em todo o estado de São Paulo, acontece em cerca de 20 municípios simultaneamente. Até às 09h30, já havia detido ao menos 20 pessoas sendo 19 delas advogados.

A operação investiga o envolvimento de advogados com o crime organizado. As investigações se iniciaram em maio de 2015, com a interceptação de uma carta por um agente penitenciário, enquanto se realizava um procedimento de rotina no presídio.

Publicidade
Publicidade

Dentre os detidos está Luiz Carlos dos Santos, que é o vice-presidente do Conselho Estadual de Direitos Humanos (Condepe). O mesmo é suspeito de receber mensalmente cerca de R$ 4,5 mil da organização criminosa. Ele foi detido na sua residência dele em Cotia, na Grande São Paulo.

Os acusados continuam sendo investigados e são suspeitos de auxiliar na criação de um banco de dados com os nomes e endereços dos agentes penitenciários e de seus parentes, para que estas pessoas fossem mortas quando a facção achasse que deveria fazê-lo; além de também realizarem transferências do dinheiro do crime organizado em suas contas bancárias.

Os advogados simulavam visitas jurídicas aos chefes do crime organizado, e a partir daí se tornavam o elo entre eles e os que estavam em liberdade.

Controle do tráfico de drogas e de armas em todo o país

Os principais chefes da quadrilha estão presos na Penitenciária 2, que fica no município de Presidente Venceslau, SP.

Publicidade

Na ação foram apreendidos também objetos e o computador de Luiz Carlos dos Santos, na sede do Condepe, que fica no Centro de São Paulo.

Os presos e os produtos que foram apreendidos, estão sendo levados para a Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Presidente Prudente, SP.

A operação se destaca pelos meios envolvidos: mais de 150 delegados, 450 policiais civis, mais de 60 promotores e cerca de 160 viaturas. #Brasil #Casos de polícia