Ricardo Dagoriti Silva, de 40 anos, foi o homem suspeito de praticar um #Estupro que ocorreu há dois meses e que foi devidamente resolvido pela delegacia da #Mulher nesta quarta (7). Segundo a vítima, ele se fez de contratante e levou a mulher para um motel com a desculpa de que ela teria que passar por exames para que fosse contratada por ele. Ali mesmo, ele abusou sexualmente dela.

Toda a história começou quando Ricardo falava pelo celular em um ponto de ônibus sobre uma suposta vaga de emprego. Ele conversava com alguém e dizia que estava precisando de uma funcionária urgentemente. Foi aí então que a vítima, que estava a escutar tudo, chamou Ricardo e se prontificou, dizendo que estava precisando do trabalho e que poderia se candidatar ao emprego.

Publicidade
Publicidade

Depois disso, o homem levou a moça para, segundo ele, passar por um processo de contratação. Contando essa história, ele a levou pelo centro de São Paulo e ainda cobrou R$ 30 da vítima, alegando que era para pagar o exame admissional que iria ocorrer no motel onde a levou.

Ao chegar no motel, a mulher conta que ali não havia nenhum médico, logicamente, quando os abusos começaram. Depois que o estupro ocorreu, ela foi para casa e contou tudo para o seu esposo que a levou para a delegacia da mulher para prestar queixa.

Durante esses dois meses de espera, os investigadores da Policia Civil levantaram provas e imagens de câmeras de segurança de todos os locais onde o suspeito e a vítima passaram naquele dia. E através dessas imagens, os policiais conseguiram identificar Ricardo. Nesta quarta (7), ele foi preso e interceptado em seu local de trabalho.

Publicidade

O suspeito estava em um escritório de contabilidade que se localiza na Rua Lins de Vasconcelos, no Cambuci, região central de São Paulo, onde foi pego pelos agentes e levado para a delegacia da mulher.

Além de praticar o estupro, Ricardo já tinha passagem pela polícia por outros tipos de crimes semelhantes, os quais já havia cumprido pena até o ano de 2010. Na delegacia, a vítima o reconheceu. #Crime