Um homem de 53 anos cuja identidade não foi divulgada foi espancado até a morte por outros dois homens dentro da estação Dom Pedro II, na linha 2 – vermelha do Metrô, localizada no bairro do Brás, na região central da cidade de São Paulo, na noite deste domingo (25).

Homofobia

Segundo informações divulgadas pela Polícia Militar, o #Crime teria ocorrido por volta das 21 horas do dia de Natal. Dois homens, supostos skinheads, tentaram agredir um homossexual.

Um vendedor ambulante que trabalhava nos arredores da estação tentou impedir a agressão e acabou espancado. As imagens do circuito interno de segurança do Metrô mostram o senhor caindo e dois homens aplicando golpes violentos em sua cabeça.

Publicidade
Publicidade

O homem agredido foi encaminhado ao pronto-socorro do hospital Vergueiro, na zona sul da cidade, com ferimentos graves e não resistiu às agressões. A identidade da vítima não foi revelada.

Imagens

O circuito interno de câmeras do Metrô filmou a agressão e será possível, nos próximos dias, identificar os homens que agrediram o vendedor ambulante e causaram sua morte.

Será possível cruzar as imagens da estação Dom Pedro II com a de outras estações para saber onde estes homens entraram, como se comportaram durante a viagem e se causaram confusão em algum momento antes de tentarem agredir um homossexual e agredirem o ambulante de 53 anos.

O caso está sendo investigado pelos policiais civis do 1º Distrito Policial da Sé, também na região central. As imagens do circuito interno do Metrô já foram solicitadas pela polícia e vão auxiliar nas investigações.

Publicidade

Skinheads

A polícia investiga quem são os dois homens que agrediram o ambulante de identidade não divulgada e causaram sua morte. Uma das linhas de investigação aponta para o fato de que os agressores podem ser supostos integrantes de grupos de skinheads.

De origem inglesa, os grupos de skinheads no Brasil estão ligados a movimentos fascistas e nazistas. Mas há skinheads comunistas, anarquistas e que são contra o preconceito racial, os chamados Sharp e Rash. #intolerância #Casos de polícia