Com o objetivo de bancar o subsídio para manter a tarifa de ônibus, o prefeito eleito de São Paulo, João #Doria, anunciou uma série de cortes nos gastos do município em 2017, neste sábado (3). Serão cortados cargos comissionados, os valores dos contratos serão reduzidos, além da venda da maioria dos carros oficiais.

O prefeito minimizou a decisão de reduzir os contratos com os prestadores de serviços em 15% de forma unilateral. Para ele, se as empresas quiserem continuar prestando os serviços, continuarão seus préstimos mas com uma redução de 15% nos valores pagos pela #prefeitura. Ele ainda anunciou mais 25% nas demais despesas, exceto saúde e educação.

Publicidade
Publicidade

Assim, o tucano acredita que sua administração enfrentará 2017 com êxito e de uma maneira correta.

Doria acredita que a redução de despesas ajudará a financiar os subsídios da tarifa de ônibus que será mantida em R$ 3,80, sem aumento previsto. Atualmente, a ajuda é insuficiente para cobrir os custos de transporte coletivo, que giram em torno de R$ 2 bilhões podendo aumentar em mais R$ 1 bilhão.

As medidas incluem a dispensa de 1.300 carros da frota oficial o que aliviará os cofres da prefeitura em R$ 120 milhões ao ano em gastos com combustível, seguro, pagamento de motoristas e manutenção dos veículos. Nas contas do prefeito, em quatro anos de governo serão R$ 500 milhões.

A administração municipal irá se desfazer dos veículos vendendo ou colocando em leilão. No caso dos carros alugados, serão devolvidos à locadora.

Publicidade

Os funcionários da prefeitura deverão se deslocar pela cidade por táxi ou Uber. Nem toda a frota será desfeita. Serviços especializados como o funerário, médico ou CET (Companhia de Engenharia de Tráfego), continuarão tendo carro próprio. Secretários, gestores de autarquias, o vice-prefeito e próprio João Doria terão um veículo à disposição. Ele ainda disse que pretende dispensar a disponibilidade e utilizar o seu próprio carro.

Outra medida de contenção anunciada pelo Prefeito será o corte de 30% de cargos comissionados. A redução vai gerar uma economia de R$ 40 milhões ao ano. #São Paulo