No último domingo (25), dia de natal, a família de Rafael Ferreira dos Santos, de 26 anos, teve a triste notícia de que o jovem teria se afogado na praia Enseada, no Guarujá, no litoral de São Paulo. Ele estava sozinho no momento do acidente e acabou perdendo a vida depois de um mergulho em uma área arriscada, onde a maré era alta e a correnteza o arrastaram para o fundo.

Pouco tempo antes de o trágico acidente acontecer, o jovem tirou várias fotos onde ele aparece sorridente e feliz de estar na praia. Ele chegou enviar as imagens para amigos antes de entrar no mar e desaparecer. A família soube da existência das fotos após conseguir recuperar o celular de Rafael, que tinha vários registros do local.

Publicidade
Publicidade

O aparelho estava na faixa de areia da praia, que é uma das mais frequentadas do litoral paulista.

O jovem já foi encontrado sem vida, depois de diversas buscas realizadas pelos guarda-vidas e bombeiros que trabalham na região. Ele havia desaparecido, o que causou preocupação nos parentes que acionaram o serviço de resgate. Como se não bastasse todo o sofrimento de perder um ente querido no natal, os familiares viveram outra dor durante o sepultamento.

Ainda não se sabe por qual motivo, mas Rafael teria sido enterrado antes que o velório acontecesse, depois que uma suposta mulher teria dado autorização para que sepultamento acontecesse. Segundo os familiares, os responsáveis do Cemitério da Consolação, teriam achado que se tratava da mulher do jovem. Depois da confusão, o corpo de Rafael teve que ser desenterrado para que os amigos e familiares de verdade pudessem velar o corpo.

Publicidade

Devido ao tumulto gerado, o velório durou apenas cerca de meia hora, e o corpo foi novamente sepultado. Rafael era nascido no Alagoas, mas os parentes nordestinos, não quiseram pagar o translado até lá. Ele já morava há cerca de dez anos no litoral paulista e por isso foi enterrado em São Paulo.

Os familiares querem uma resposta dos funcionários do cemitério que autorizaram o enterro sem verificar os documentos da pessoa que teria dado a autorização, e nem onde estava a certidão de óbito. Quem se despediu de Rafael foi sua companheira, a enteada Letícia e amigos do jovem, que estão consternados com a perda. #Crime #Casos de polícia