Imagine a cena: você vai buscar mais cedo o seu filho de apenas dois anos na escola e acaba flagrando a professora, que deveria estar cuidando da criança, dando chineladas nela.

A situação descrita acima foi demais para uma mãe de aluno da rede municipal de ensino de Praia Grande, no Litoral de São Paulo. A autônoma Amanda Barros não conteve a fúria e partiu para cima da suposta agressora do menor.

O caso aconteceu no último dia 22 de novembro, na creche da Escola Municipal Professora Esmeralda dos Santos Novaes, no bairro Jardim Quietude, mas só foi divulgado pela imprensa local nesta sexta-feira (1º).

Amanda disse que testemunhou a cena que considera revoltante porque chegou antes do horário normal na unidade.

Publicidade
Publicidade

A mãe teria sido autorizada pela direção da creche a ir até a classe do filho para buscá-lo, pois naquele dia tinha um compromisso e precisava levá-lo mais cedo para casa.

Ela contou que ao chegar na porta da sala bateu algumas vezes e, como ninguém atendeu, ela abriu e entrou. No momento seguinte ao ingressar no recinto ela viu quando o bebê apanhou com uma sandália usada por uma professora que continua dando aulas normalmente na instituição. Segundo a mãe, foram duas ‘chineladas’ com a sandália.

Depois de ficar chocada com o que presenciou, Amanda não pensou duas vezes e partiu para cima da educadora, dando-lhe vários tapas. “Não consegui me controlar na hora”.

Agora a mãe pede uma atitude da Secretaria Municipal de Educação, que por sua vez esclareceu que já tem conhecimento da ocorrência e que está apurando os fatos.

Publicidade

Enquanto isso, o aluno não tem frequentado mais as aulas.

Indignada com a situação, a munícipe fez questão de registrar um boletim de ocorrência na delegacia mais próxima para se precaver. Outra providência foi tirar a criança da creche, já que a suposta agressora continua trabalhando normalmente.

A situação, segundo ela, está prejudicando o dia a dia da família, já que sem escola, eles não conseguem trabalhar direito, por não terem com quem deixar o menor. #Crime #Casos de polícia