O que era para ser a história de um morador de rua, que cuida de dois #Cachorros, se diz longe da família e que busca uma oportunidade de emprego, teve um desfecho totalmente surpreendente nesta terça-feira, dia 27 de dezembro, em Sorocaba. Após relatar sua história de vida no Jornal Cruzeiro do Sul, o homem foi preso por ser foragido da Justiça.

A reportagem abordava a vida dos moradores de rua enquanto muitas famílias celebravam as festas de fim de ano. O personagem da matéria foi o morador de rua, Moisés da Silva, de 51 anos. Ele morava em uma barraca no canteiro central da Avenida Antônio Carlos Comitre, a principal de um bairro nobre da cidade, na companhia de dois cachorros, muito bem tratados, como destacou o texto.

Publicidade
Publicidade

Na reportagem, ele disse que estava em busca de um recomeço, procurando um emprego para poder tratar de seus animais de estimação, que adotou enquanto ainda vivia com a esposa.

Ele conta que vendeu todos os bens e que fez empréstimos para custear o tratamento da esposa, que sofria de câncer na garganta, mas veio a falecer. Após sua morte, passou a perambular pelas ruas com o pouco que lhe sobrou. O dinheiro para se sustentar e também alimentar os animais vem de doações de pessoas que passam pelas ruas.

Poucas horas depois do jornal ir às bancas, a Polícia Civil de #Sorocaba e dois policiais do Grupo Armado de Repressão a Roubos e Assaltos efetuaram a prisão de Moisés. Ele era procurado desde 2014 pela Lei Maria da Penha e condenado à prisão em regime semiaberto.

A reportam do jornal esclareceu, em matéria publicada no site, que em nenhum momento ele havia citado que era procurado pela Justiça.

Publicidade

Durante a prisão, os cachorros chegaram a entrar na viatura, porém foram retirados e levados por duas mulheres que trabalham em um pet shop nas proximidades.

Moisés foi levado para a Delegacia Seccional de Sorocaba e depois encaminhado para um presidio em Pilar do Sul. Ainda nas redes sociais, a reportagem do jornal informou que a ficha criminal do homem estava sendo levantada. #Casos de polícia