O prefeito eleito de #osasco e vereador afastado Rogério Lins (PTN), foi preso neste domingo (25), ao desembarcar no aeroporto de Guarulhos. Ele era considerado foragido desde o dia 6 de dezembro quando foi decretada sua prisão por conta da operação Caça Fantasma, que apura um esquema de #Fraudes na contratação de funcionários públicos sem concurso, que causou a prisão dos outros vereadores da cidade.

Lins se entregou à Polícia Federal após desembarcar de um voo vindo de Miami. Ele foi levado para a Delegacia de Atendimento ao Turista (Deatur), onde a prisão foi registrada e, posteriormente, ao Centro de Detenção Provisória de Osasco.

Publicidade
Publicidade

Antes de se entregar, o prefeito eleito postou um vídeo nas redes sociais onde se dizia inocente e respeitar o trabalho do #Ministério Público e da Justiça. Ele disse ainda que volta ao Brasil de cabeça erguida.

De azarão a eleito

Em seu segundo mandato como vereador, Rogério Lins se lançou ndidato à prefeitura de Osasco como verdadeiro azarão. Disputando a vaga contra o atual prefeito Jorge Lapas (PDT) e o ex-prefeito de dois mandatos Celso Giglio (PSBD), o jovem vereador de 38 anos foi o primeiro colocado no primeiro turno.

Com um discurso de compromisso com a ética e o bem público, e contando com o apoio de Gilgio, que teve sua candidatura indeferida pelo TRE-SP, venceu no segundo turno com 61,21% dos votos. Logo após ser eleito, o politico afirmou que seu gabinete havia sido investigado e não possuía funcionários fantasmas, afirmando ainda que as pessoas que trabalhavam lá extrapolavam o período regulamentar.

Publicidade

No inicio deste mês, o Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco) prendeu 14 vereadores da cidade, suspeitos de participarem de um esquema que podem ter dado prejuízo aos cofres públicos na ordem dos 21 milhões de Reais.

Desde quando começou, ainda em agosto de 2015, a operação causou o afastamento de mais de 200 pessoas de seus cargos. Já foram realizados quatro acordos de delação premiada e mais de 220 mil reais foram devolvidos aos cofres públicos.