Como diz o ditado, todo mundo um dia já foi traído. Se não foi, um dia vai ser ainda. No entanto, tem aqueles que não admitem que já foram traídos, mas quando descobrem, agem de maneira muito agressiva para se vingar daqueles que lhe passaram a perna.

Na semana passada, um #Vídeo divulgado em redes sociais causou uma grande revolta. Uma jovem pegou a amante do seu esposo na cama junto com ele. Furiosa, a mulher traída espancou a amante, cortou o seu cabelo e obrigou a mesma a andar nua pelas ruas do bairro onde aconteceu o fato. A cena foi toda gravada. Após o ocorrido, a própria agressora divulgou o vídeo em redes sócias expondo a vítima de maneira vulgar.

Publicidade
Publicidade

No entanto, isso pode custar muito caro para a agressora, ela pode pegar até 10 anos de cadeia.

A vítima, de 20 anos, que não teve o seu nome revelado por motivos de segurança pela polícia, procurou a delegacia sede de Cubatão, em companhia de uma irmã e um amigo na tarde de sábado (14), para registrar um Boletim de Ocorrência contra a agressora. Conforme consta no seu depoimento, a jovem disse para a polícia que teve as suas roupas rasgadas, seu cabelo cortado, foi espancada e obrigada a andar nua pelas ruas do bairro Jardim Nova República, em Cubatão, São Paulo (SP).

Toda a cena foi gravada por um aparelho de telefone celular. Logo após, foi divulgado nas redes sociais. No poste feito pela agressora, ela se gaba de toda a ação: “Vou mostrar como faz com as talaricas de homem casado. Acabei de pegar essa vagabunda com o meu marido. Ex-marido a partir de hoje (sic)”, escreveu a agressora.

Publicidade

Segundo informações, a agressora será denunciada pelos crimes de ameaça, lesão corporal, violência doméstica difamação, injúria real, tortura, violência contra a mulher e delito de intolerância.

Veja o vídeo logo abaixo

Somando a pena de todos esses crimes, caso a agressora seja condenada, ela pode pegar até 10 anos de cadeia. O caso inusitado aconteceu na sexta-feira (13). Após o seu depoimento, a jovem agredida foi encaminhada para exame de corpo de delito, além de atendimento psicológico. A polícia não informou se a agressora foi presa. O caso é investigado na delegacia da cidade. #Investigação Criminal #Casos de polícia