Passar pela experiência de um assalto é sempre muito traumático, pior ainda se for um roubo a banco com reféns. Essa situação foi vivida por vários moradores da cidade de Ubirajara, um município interiorano com pouco mais de oito mil habitantes, em São Paulo.

As pessoas aguardavam atendimento em uma agência do Banco do Brasil, quando dois homens armados entraram no local. Eles renderam o gerente e ameaçaram sua família, alegando que conhecia todos ali.

Após colocar as mãos no dinheiro do banco, a quadrilha decidiu roubar os clientes que estavam dentro da agência, mas um dos criminosos, ao ver que a maioria dos reféns tinham pouco ou nenhum dinheiro, começou a colocar cédulas dentro de suas carteiras, alegando que era para eles pagarem suas contas.

Publicidade
Publicidade

Dois outros homens davam cobertura para a dupla do lado de fora da agência. Após o roubo, os quatro fugiram, tomando rumo ignorado.

O #Crime não chamou a atenção de vizinhos e até comerciantes da região disseram não ter percebido nada de incomum na agência, isso até que as viaturas da Polícia Militar começaram a chegar.

A PM ainda tenta encontrar os criminosos para prendê-los e recuperar o dinheiro roubado da instituição bancária. O Banco não revelou para a imprensa quanto foi roubado. A imprensa local e os grandes meios de comunicação do estado, logo ficaram sabendo do caso e o assunto ganhou repercussão nacional através de noticiários na TV e na internet.

Quanto aos clientes que ‘ganharam’ dinheiro roubado para pagar suas contas, como era de se esperar, tiveram que devolver todo o “presente”, logo após a fuga dos criminosos.

Publicidade

A polícia encontrou o carro usado pela quadrilha, abandonado em uma mata da cidade. Um cerco com policiais fortemente armados foi realizado para encontrar os bandidos, mas até o momento, não há informações sobre a prisão de nenhum dos suspeitos.

Assista abaixo uma das reportagens sobre o assunto:

O que você acha desse caso? É possível um criminoso ter um momento Robin Hood? Deixe um comentário com a sua opinião. #Violência #Casos de polícia