Na última sexta-feira, 22, a Justiça de São Paulo concedeu medida liminar que proíbe o aumento da velocidade máxima permitidas nas marginais, proposta pelo prefeito João Dória e que entraria em vigor no dia 25. A justificativa é de que tal ação iria aumentar consideravelmente o risco de acidentes fatais nas marginais Pinheiros e Tietê. A ação foi movida pela Associação dos Ciclistas Urbanos de São Paulo (ciclocidade) e a prefeitura do município tem prazo de 30 dias para entrar com recurso.

Batizada de “Marginal Segura”, o programa previa inicialmente que a velocidade máxima fosse aumentada para 90 km/h mas pistas expressas, para 70 km/h nas centrais e para 60 km/h nas pistas locais, algo que para a Associação é bastante temerário, já que os índices de acidentes fatais têm tido recorrentes reduções desde a implantação de limites mais rígidos.

Publicidade
Publicidade

Ainda para a ciclocidade, a ação foi encaminhada para que haja tempo hábil para estudos técnicos, para que sejam ouvidos diversos órgãos envolvidos e para que se abra uma consulta pública para discussão mais ampla do tema, já que o mesmo interfere diretamente no dia a dia da maior cidade do país.

Redução de acidentes fatais foi maior do que 50%

Um dos principais argumentos contra o novo programa é o fato de que os índices percentuais de acidentes com morte apresentam queda considerável, chegando a mais de 50 % desde a implementação da redução feita na gestão de Fernando Haddad. Os dados são oficiais e fornecidos pela própria CET.

Segundo as estatísticas, se entre 2014 e 2015 foram 64 acidentes com morte, no ano seguinte, entre 2015 e 2016 esse número caiu para 31 vítimas, o que, segundo os postulantes, legitima a ação e a manutenção das atuais velocidades máximas permitidas.

Publicidade

A Prefeitura de São Paulo emitiu nota oficial, comunicando que irá cumprir a decisão judicial e que pretende recorrer da decisão, assim que for oficialmente notificada, o que deve acontecer nos próximos dias. Por enquanto, estão mantidas as velocidades atuais, mesmo que as placas do programa “Marginal Segura” já estejam sendo instaladas. #2017 #Casos de polícia