A chacina que ocorreu na cidade de Campinas, na virada do ano, está comovendo o país. Momentos antes da contagem regressiva para o novo ano, Sidnei Ramis de Araújo, de 46 anos, entrou em uma casa e assassinou 12 pessoas, entre elas seu filho de 8 anos e sua ex-esposa.

Com o desenrolar das investigações foram encontradas diversas provas que mostram que o crime foi premeditado. Por último, a polícia teve acesso a uma carta escrita pelo atirador. Nela ele demonstra profundo ódio tanto pela ex-esposa quanto pela família dela.

A polícia encontrou duas cartas, uma destinada ao filho e outra a uma namorada. As cartas haviam sido enviadas a alguns amigos do atirador.

Publicidade
Publicidade

Sidnei inicia o texto dizendo que não tem medo de morrer e muito menos de ser preso. Ele descreve algumas vantagens da prisão e também as vantagens de morrer. Ele diz que na prisão ele terá 3 refeições diárias e banho de sol, e sobre a #Morte ele não demonstrava preocupação, uma vez que, devido às circunstâncias, já se considerava morto.

Em trecho da carta, ele parece planejar as mortes, incluindo a do seu filho. “Filho, tenha certeza de que não será só nós dois quem vamos nos f..., vou levar o máximo de pessoas daquela família comigo”.

Sidnei se diz vítima da mulher e da família dela. Ele considera que a morte é a melhor solução para o problema, fazendo uma comparação de sua morte com a de outras pessoas que morreram injustamente. “Muitas pessoas pobres morrem no chão de hospitais para manter políticos na riqueza e poder! Eu morro por justiça, dignidade, honra e pelo meu direito de ser pai”.

Publicidade

Em outra parte da carta, ele pede aos amigos que não rezem por ele, e diz que o único merecedor de suas orações era seu filho. Ele diz ainda que, quando for enterrado, gostaria que o colocassem de cabeça para baixo para que assim chegasse ao inferno.

Na carta direcionada ao filho, ele diz que não se considera machista e que não guarda raiva da mulheres de boa índole, porém, segundo ele, existiam as “vadias”. No mesmo trecho, ele faz uma menção à lei Maria da Penha, criada para proteger as mulheres de agressões físicas e psicológicas. “Tenho raiva das vadias que se proliferam e muito a cada dia se beneficiando da lei vadia da penha!”

Leia abaixo a carta na íntegra.

#2017