Nesta última quarta-feira (11), a polícia prendeu a mãe de um adolescente de 17 anos, que foi morto na cidade de Cravinhos, em São Paulo. A mulher e o padrasto do jovem foram encaminhados à delegacia e confessaram o crime. O tio do garoto, o senhor Dario Rosa, revelou que a mulher não aceitava o fato do filho ser homossexual e ele tem certeza de que esse foi o motivo do assassinato.

O tio do jovem assassinado, Itaberli Lozano, disse que toda mãe deve proteger o filho e nunca fazer o que ela fez. Ele contou ainda que o sobrinho era trabalhador e muito educado. Após matar o filho, a mulher ainda colocou fogo no corpo.

A mãe do rapaz, Tatiana Lozano, tem 32 anos disse à polícia que assumia o crime e que teria feito isso para se defender, pois eles estavam brigando e foi quando ela acertou o filho com vários golpes de faca.

Publicidade
Publicidade

O tio contou que a mãe estava sempre brigando com o filho e, por isso, ele foi morar na casa da avó no final do ano passado. Só que um dia, o jovem recebeu a ligação de sua mãe e foi até a casa dela e depois disso ninguém mais o viu.

Ainda de acordo com o tio do jovem assassinado, um carro foi até a casa onde ele morava com a avó para buscá-lo e o rapaz não voltou mais. A avó, preocupada, foi até a casa da assassina, mas ela disse que o filho não estava e que provavelmente teria ido morar com algum amigo.

A polícia acha que depois de matarem o adolescente, o padrasto ficou encarregado de esconder o corpo. Alex Pereira, de 30 anos, teria levado o corpo da vítima para um local bem distante e no meio do canavial colocou fogo, para certificar-se que ninguém iria encontrá-lo, mas a polícia conseguiu localizar os restos mortais.

Publicidade

Tatiana alegou para a polícia que o filho fazia uso de drogas e desde então se tornou muito violento, mas o tio disse que isso é mentira.

O advogado do casal já entrou na Justiça, pedindo a liberdade provisória de ambos. Eles irão responder por homicídio e também por ocultação de cadáver. O tio do rapaz assassinado disse que na opinião dele, há mais pessoas envolvidas no crime bárbaro. #Tragédia #Homofobia #Morte