O TJ/SP impôs uma dura derrota ao governo de #São Paulo e à prefeitura da capital, mantendo, nesta terça-feira, 10, a decisão já emitida em primeira instância que suspendia o aumento das tarifas de ônibus integrados. Na integração, os ônibus são de responsabilidade da capital e municípios e os trilhos do estado.

A derrota afeta tanto o governador Geraldo Alckmin (PSDB) quanto o recém empossado prefeito da cidade de São Paulo, Doria.

O governo emitiu comunicado nesta noite (terça) afirmando que vão cumprir a decisão judicial e retornar os valores das passagens do sistema integrado já para entrar em vigor nesta quarta-feira, 11.

Publicidade
Publicidade

Afirmam ainda que trabalharão em sistema de mutirão para conseguirem cumprir a decisão.

O aumento da tarifa beneficiaria a capital, uma vez que Doria (agora prefeito) prometeu, em campanha, manter o preço das passagens urbanas em R$ 3,80.

Entretanto, buscando a recuperação financeira do estado, Alckmin previa compensar com o aumento das passagens do sistema de integração.

A justificativa do presidente do TJ, Des. Paulo Dimas, foi por princípio que o aumento estava "bem acima dos índices inflacionários" e não foi bem justificada.

O reajuste foi de quase 15% versus uma inflação de menos de 7%.

A #passagem de integração (ônibus/trilhos) passará de R$ 6,80 para R$ 5,92 e a comum não sofrerá mudança, uma vez que manteve-se em R$ 3,80 sem aumento.

Alckmin afirmou hoje em um evento que a ação (motivada pelo PT) em caráter liminar e confirmada hoje é política e o resultado judicial é totalmente descabido.

Publicidade

Afirma que vão recorrer e "garante" que será revertido.

Política

Mais cedo, o governador Geraldo Alckmin acusou o PT de "demagogia" e "farisaísmo", citando a ação que promoveu para suspender o reajuste.

Alega que no governo PT houve aumento e ninguém questionou na Justiça. Agora, fora do poder municipal, questionam a ação. Por fim, o governador afirmou que a decisão era descabida e será revertida.

O PT pediu também a inclusão de Doria no processo, uma vez que a decisão também atinge a prefeitura. #Onibus