Um #Crime abalou o estado de São Paulo na noite dessa quarta-feira, dia 11. Um policial militar matou a #tiros a ex-namorado, Janaína Matiko, 30 anos, na região de Itaquera, zona leste de São Paulo. Segundo a polícia, a causa do homicídio seria o fim do relacionamento do casal.

Segundo a Folha de S. Paulo, a jovem era recepcionista e estudante universitária. O crime acorreu próxima da casa da vítima na rua Mapixi, por volta das 22h30 – quando ela voltava da academia a pé.

De acordo com a Polícia Civil, o militar esperava a chegada da ex-namorada dentro de um veículo. No momento em que a vitima se aproximou do carro, o policial desceu do veículo e efetuou vários disparos a queima roupa.

Publicidade
Publicidade

Ela veio óbito no local.

Após o crime, o servidor público entregou-se em um Batalhão da Polícia Militar e foi encaminhado para 24º Delegacia de Polícia de Águas Rasa.

Detalhes do Crime

O Soldado da Polícia Militar, Márcio Lima, 31 anos, empunhava uma pistola calibre 40 no momento da ação. Segundo Agência do Estado, a última frase da jovem foi essa: "Deixa eu viver minha vida em paz". Segundo a polícia, a vítima foi atingida com 14 disparos de arma de fogo, grande parte deles no rosto.

Relacionamento Amoroso

O relacionamento do casal durou um ano e um mês, até Janaína Matiko terminar o namorado no mês de dezembro, durante o natal do ano passado. O fim da vida amorosa ocorreu após eles chegarem de viagem turística no Estado do Ceará, na Região Nordeste.

De acordo com informações da Agência do Estado, a família afirmou que a jovem vinha sendo violentada e agredida pelo namorado.

Publicidade

“Ele era possessivo, bebia muito. Ela não podia dar bom dia para ninguém”, disse Henrique Novaes, 35 anos, cunhado da vítima. Segundo familiares, o policial teria em outra oportunidade apontado uma arma para a cabeça de Janaína dentro do apartamento onde morava. "Ele queria obrigá-la a ficar com ele”.

O soldado ainda chegou a tentar reatar o namoro através de familiares da vítima – e ligava constantemente pedindo ajuda. Antes do crime, ele passou quatro horas conversando com o cunhado da vítima. "Pede para ela voltar comigo, senão eu vou fazer besteira. Me ajuda. Eu vou matar ela", teria dito o criminoso durante o encontro com Henrique Novaes. #Casos de polícia