As chuvas do início da segunda quinzena de janeiro, surpreendeu. Com alguns temporais e muito calor que deixaram 156,2 mm acumulados na região do Mirante de Santana. Mediram 115,0 mm nos dias 15 e 16 de janeiro, sendo que a contagem foi feita entre 10h do dia 15 e 10h do dia 19 de janeiro. Choveu, no total 184,0 mm somando todos esses dias da segunda quinzena.

Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia, o total de #Chuva acumulado em 19 dias, até 10h, foi de 340,2 mm. O último janeiro chuvoso assim, foi em 2011 quando o acumulado no mês foi de 493,7 mm. Em janeiro de 2016 choveu 175,9 mm. A média histórica de 1943-2015 é de 262,4 mm.

Publicidade
Publicidade

Nos próximos 5 dias a previsão é de chuva, possivelmente com pancadas fortes em algum momento.

Chuva em janeiro no Mirante de Santana no período de 1943-2015

Mais chuvosos: Ano / chuva

1) 2011 – 493,7 mm

2) 1947 – 481,4 mm

3 ) 2010 – 480,5 mm

4) 1987 – 442,3 mm

5) 1950 – 421,8 mm

Menos chuvosos: Ano / chuva

1) 1964 – 94,8 mm

2)1962 – 109,8 mm

3) 1960 – 115,4 mm

4) 1944 – 143,9 mm

5) 1953 – 144,1 mm

Muita gente não gosta das chuvas, mas elas são fundamentais para o nosso planeta, pois contribuem para o desenvolvimento das diversas formas de vida animal e vegetal. Mesmo com toda a vantagem da natureza trabalhando, sabe-se que o que ocorre em #São Paulo, chuvas que destroem casas, causam alagamentos, uma tragédia causada pelo homem, às vezes por culpa do governo e muitas vezes por causa da sujeira em bueiro, fazendo que a água acumule causando enchentes.

Publicidade

Claro que a urbanização de forma brusca e desorganizada facilita todo esse processo, mas também vale lembrar que o estado deve sempre procurar soluções que de alguma forma ajude a melhorar a vida da população, mesmo que as vezes a própria força da natureza pareça incontrolável.

Temporais

Muitas vezes as chuvas ocorrem em forma de temporais. Estas se caracterizam pelos ventos fortes, trovoadas e relâmpagos. Os relâmpagos são descargas elétricas provocadas pelo choque entre nuvens carregadas com muita água e energia. Já o trovão, é o som provocado por este choque.

Previsão de Chuvas

As estações meteorológicas conseguem prever as chuvas, pois observam as imagens de satélites que mostram a posição e o deslocamento das massas de ar. Com dados de outros fatores (umidade, ventos, temperaturas) conseguem prever, com elevado índice de precisão, o horário e quantidade de chuvas.