Na madrugada do último sábado (31), Sidnei Ramis De Araújo de 46 anos, cometeu uma chacina. Foram assassinadas mais de 10 pessoas, entre parentes e amigos da ex-esposa. Esse fato aconteceu em Campinas no interior do estado de São Paulo, onde estava acontecendo uma festa de comemoração de virada de ano.

O homem havia tentado cometer o #Crime na véspera de Natal, mas não conseguiu efetuar o plano. Descobriu que sua ex-mulher iria comemorar a passagem de ano na casa de uma de suas tias com o filho do casal, parentes e amigos. E, faltando poucos minutos para o início dos fogos, o assassino pulou o muro da casa onde as vítimas estavam e começou a atirar em todos que estavam na festa.

Publicidade
Publicidade

Das vítimas, dois adolescentes conseguiram escapar se escondendo no banheiro. De lá, conseguiram ouvir quando Sidnei, o assassino, falou para Isamara, sua ex-mulher: “vou te matar, você tirou nosso filho de mim”.

No final da fala do assassino, disparos. Em seguida, eles ouviram a voz do filho do casal, João Victor de 8 anos, falar ao pai: "você matou a minha mãe”? O menino não teve resposta do pai. Ouviram novos barulhos. O garoto de 8 anos foi assassinado pelo pai, à queima roupa. Após matar o filho, Sidnei cometeu suicídio.

Motivos do crime

Sidnei e a ex-esposa, Isamara, estavam brigando na Justiça pela guarda do filho João Victor, de 8 anos. De acordo com testemunhas, a mulher ganhou a guarda depois de ter acusado o ex-esposo de ter abusado sexualmente do filho do casal. Devido a isso, a Justiça proibiu as visitas do pai.

Publicidade

Essa seria uma das justificativas para o crime.

Pessoas que moram perto da residência onde ocorreu a chacina, confundiram o barulho de tiros com fogos, já que faltavam poucos minutos para a meia-noite. Quando saíram para ver a queima de fogos viram uma pessoa ferida na perna, que deduziram ser assaltante. Não conseguiram perceber que era um dos sobreviventes da chacina.

De acordo com a Polícia Militar, Sidnei estava com uma pistola calibre 9 milímetros, dois carregadores e dez bombas caseiras que foram apreendidas pela polícia. Também foi apreendido um arquivo onde o atirador justifica o crime.

Quatro pessoas sobreviveram ao massacre.

#Brasil #Investigação Criminal