Tsunamis de pessoas inundaram as ruas e da grande São Paulo. A abertura do Carnaval paulistano foi como um grande terremoto. Uma grande multidão tomou conta do Largo da Batata e a cada metro quadrado de rua os foliões se moviam como verdadeiras ondas humanas. A Avenida Faria Lima ficou fechada para o desfile dos blocos na parte da manhã e da tarde do sábado.

O #Carnaval de rua deste sábado (18) foi formado por grandes blocos que se espalharam desde a região do Ibirapuera, Pinheiros e da Vila Olímpia. Ao todo, foram cerca de 106 blocos desfilando e abordando temas sociais e políticos dos mais variados.

O trânsito parou em várias localidades.

Publicidade
Publicidade

Na Zona Oeste, carros e ônibus ficaram ilhados entre a grande quantidade de foliões. No metrô, as estações da Linha 4-Amarela Faria Lima e Fradique Coutinho registraram um intenso fluxo de pessoas e tiveram que ser restringidos.

Temas políticos e sociais foram destaque dos blocos carnavalescos

Para quem pensa que o Carnaval brasileiro é um momento de distração, como se costumar dizer, "Pão e circo para o povo", se enganou, temas importantes foram tratados em meio ao Carnaval deste ano.

O Bloco Soviético inundou a Augusta com paródias de forte teor político, temas como machismo, golpe político e incentivo a favor da revolução tomaram conta das ruas.

Muitos afirmam com preconceito que o Paulistano não sabe fazer Carnaval, mas os últimos carnavais da cidade de São Paulo têm sido uma demonstração que eles não ficam atrás de nenhuma região do Brasil.

Publicidade

Amor livre e fim do preconceito

O bloco Ritaleena fez homenagens à cantora Rita Lee, e se concentrou na Rua dos Pinheiros, percorrendo várias ruas do bairro. Blocos de axé se concentraram na Rua Fiandeiras e na Vila Olímpia, cantaram os sucessos da Banda Eva e outros.

O Bloco Casa Comigo fez celebração ao amor sem preconceito. Raul Cilento, vocalista e fundador do bloco, fez um manifesto em defesa da liberdade de escolha independente da orientação sexual. O #Carnaval paulistano é marcado pelo multiculturalismo, oferecendo opções para todos os gostos, reflexo de um cidade que evolui e se transforma. #Blocos de Carnaval