O rompimento de uma adutora, em consequência das fortes chuvas da última terça-feira (31), deixou praticamente toda a cidade de Sorocaba sem água. Com a situação longe de ter uma solução, cerca de 20 escolas infantis e creches da rede municipal foram invadidas durante a madrugada por moradores munidos de baldes e galões em busca de água. Para adentrar aos prédios, que estavam fechados, eles arrobaram os portões.

O prefeito da cidade, José Crespo, não viu a atitude como um ato criminoso e entende a situação das pessoas. Para ele, a ação foi motivada pelo desespero das famílias que ficaram sem água nas torneiras. Ele ordenou que as unidades sejam usadas como ponto de distribuição.

Publicidade
Publicidade

A prefeitura conseguiu 50 veículos para abastecer as creches e escolas municipais da cidade.

Durante a manhã desta quinta-feira (2), um caminhão-pipa foi interceptado por moradores, que impediram ele de chegar ao seu destino. Para evitar que fatos como esse se repitam, a Guarda Civil e a Polícia Militar passaram a fazer o patrulhamento dos mesmos. A adutora rompida é a maior da cidade, com capacidade para 1,4 mil litros por segundo. O local onde houve o rompimento fica às margens da estrada Votorantim-Piedade e é de difícil acesso.

E o sofrimento do sorocabano está longe de acabar. De acordo com previsão do SAAE, o abastecimento será normalizado apenas na segunda-feira (6).

Procura por água mineral dispara

Pelo menos um setor do comércio não tem motivos para reclamar da crise no abastecimento.

Publicidade

A procura por água mineral segue intensa na cidade deste a tarde desta quarta-feira (1º), tanto que o produto já começa a faltar em alguns supermercados. Em um depósito da cidade, uma carga de galões descarregada por volta das 10 da manhã foi vendida em menos de cinco minutos.

Protesto

Moradores da Vila Rica, em #Sorocaba, realizaram um protesto na tarde desta quarta-feira (1º). Atingidos pelo temporal do dia anterior, eles interditaram uma rua do bairro e incendiaram os móveis perdidos durante a inundação. Segundo eles, o ato foi para chamar a atenção das autoridades para o drama das famílias que perderam seus móveis e bens. #Chuva #Chuvas Torrenciais