Os passageiros que estavam no ônibus intermunicipal 078-Pinheiros que passava pelos arredores do Estádio do Morumbi, na zona sul da cidade de São Paulo, no último sábado, depois do empate do Tricolor com o Mirassol, por 2 a 2, ficaram estarrecidos com as cenas lamentáveis que assistiram.

Cerca de 30 torcedores são-paulinos, identificados como membros da Torcida Tricolor Independente pela roupa que vestiam, invadiram o ônibus pela porta de trás, sem pagar passagem, e abordaram um homossexual que estava dentro do veículo.

Os organizados perguntaram a Paulo Lima, de 22 anos, para qual time ele torcia. “Da primeira vez eu fingi que não ouvi.

Publicidade
Publicidade

Da segunda, disse que não torcia para time nenhum”, afirmou em entrevista ao site Ponte Jornalismo.

Em seguida, ele começou a ser agredido. Foi chamado de vergonha para a sociedade, bonequinha, bicha, viado, barbie e mocinha. Em seguida, ele teria levado cusparadas, uma cabeçada e murros no rosto.

Caso de polícia

Paulo Lima disse aos agressores que ligaria para a polícia, mas continuou a ser ofendido. Um dos agressores chegou a dizer que bateria nele e na polícia. Os demais passageiros do ônibus permaneceram inertes diante da situação.

O caso está sendo investigado pela polícia e é bem possível que os agressores sejam identificados. Muitos dos ônibus atuais têm sistema interno de câmeras de segurança, o que pode facilitar a identificação dos agressores.

Paulo Lima trabalha como analista de telemarketing e mora em Taboão da Serra, na Grande São Paulo.

Publicidade

O rapaz é epilético, depressivo e sofre de síndrome do pânico e síndrome de Bordeline.

Violência

Casos como esse não são incomuns na rotina das torcidas organizadas. Se o rapaz agredido não fosse homossexual, mas estivesse de camiseta verde, por exemplo, cor do Palmeiras, também correria o risco de ser agredido se não falasse que era torcedor do São Paulo.

Além disso, situações como essa não é exclusividade da torcida são-paulina. As Torcidas Organizadas têm um comportamento violento histórico, seja ela de qual time for. #torcida organizada #Violência #Homofobia