Os paulistanos iniciam a quarta-feira, 15 de março, com a notícia de que o Sindicato dos Metroviários de #São Paulo resolveram paralisar as atividades por 24 horas. A contagem iniciou a partir das 00h00. A única linha que mantém o funcionamento é a 4, Amarela, que conta com as estações Luz, República, Paulista, Faria Lima, Pinheiros e Butantã. Os trens da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos também manterão as atividades.

Por conta da paralisação, a Prefeitura do Município de São Paulo liberou os carros tanto do rodízio municipal quanto do pagamento do estacionamento da Zona Azul. O mesmo não vale para caminhões, que seguem a sua rotina normalmente.

Publicidade
Publicidade

Até ao meio dia, carros, táxis e ônibus fretados também poderão transitar nos corredores exclusivos para ônibus. Após este horário, somente táxis e ônibus fretados.

A decisão pela paralisação dos metroviários não foi tomada de repente. Desde a semana passada, após a realização da última assembleia da categoria, os profissionais do segmento optaram pela #Greve. De acordo com liminar emitida pelo Tribunal Regional do Trabalho, os trabalhadores do metrô devem manter o atendimento entre os horários de 6 e 9 horas da manhã e entre 16 e 19 horas da noite. Se não cumprirem o acordado, cabe ao sindicato fazer o pagamento diário de R$ 100 mil aos cofres municipais.

Outras categorias que também decidiram fazer greve nesta quarta são os professores da rede estadual e municipal e os motoristas e trabalhadores rodoviários urbanos de São Paulo.

Publicidade

Porém, no caso dos rodoviários, a determinação do Tribunal Regional do Trabalho é de que a paralisação não ocorra. Se descumprirem a solicitação, o sindicato da categoria pode pagar multa no valor de R$ 300 mil.

Contra a reforma

O motivo das paralisações, segundo os sindicatos, seria apoiar as ações promovidas por diversas centrais sindicais instaladas em todo o Brasil que contestam as reformas do congresso, sendo, as mais polêmicas, as da Previdência e a Trabalhista. Estima-se que a paralisação vai afetar pelo menos 4 milhões de pessoas, número de usuários que passam pelo metro diariamente. #Metrô