Pelo menos 50 barracos foram atingidos por um incêndio na Rua Pasquale Galupe, em Paraisópolis, na Zona Sul de São Paulo, na tarde desta quarta-feira (1º). Por volta das 17h40 o fogo já havia sido controlado e não há registros de feridos. 24 equipes, com cerca de 90 homens, trabalharam no combate às chamas. Peritos da Polícia Científica vão avaliar o que pode o ter provocado.

Segundo reportagem da GloboNews, ao menos duas pessoas passaram mal após inalar fumaça. Uma delas foi uma mulher que queria retirar objetos pessoais de sua casa e acabou respirando muita fumaça. Ela foi encaminhada até um posto de saúde da região.

As vias estreitas e as casas muito próximas umas das outras, além de fazer o fogo se alastrar com mais rapidez, impediam que as viaturas chegassem ao local exato onde o #Incêndio acontecia.

Publicidade
Publicidade

Desesperados, muitos moradores acabaram usando baldes e mangueiras na tentativa de conter o fogo e evitar que ele se espalhasse para outras moradias. O ato não é recomendado pelo Corpo de #Bombeiros, uma vez que – diferente da corporação - eles não possuem equipamentos adequados para combater as chamas.

Cerca de 100 mil famílias moram em Paraisópolis, que é apontada como a segunda maior comunidade de #São Paulo. Segundo a Agência Brasil, a Prefeitura de São Paulo tenta organizar filas para poder atender às famílias que perderam seus pertences, no entanto o trabalho enfrenta dificuldades, uma vez que todos estão exaltados e à procura de informações. De acordo com essas equipes, as famílias serão cadastradas e atendidas prioritariamente com equipamentos básicos como colchão.

O carpinteiro Egnaldo de Souza Cruz, 39 anos, disse que perdeu tudo com o incêndio, só dando tempo de salvar o botijão de gás e os documentos.

Publicidade

Ele, que vive com a mulher e dois filhos, ainda não sabe onde irá passar a noite.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, apenas neste ano foram registrados em todo o estado de São Paulo 102 incêndios em favelas, sendo 43 na capital ou na Grande São Paulo. Em todo o ano passado foram 325 ocorrências dessa natureza.