A torcida do São Paulo comemora um bom momento no futebol, desde a chegada de Rogério Ceni ao comando da equipe. Fora de campo, a situação também é positiva para aqueles que gostam de #Carnaval.

Isso porque as duas principais torcidas organizadas do clube estarão no Grupo Especial do Carnaval de São Paulo em 2018. A #Dragões da Real foi a vice-campeã deste grupo, enquanto a Independente ficou na mesma posição, no Grupo de Acesso e subiu de divisão.

Pela primeira vez, uma equipe da cidade de São Paulo terá duas torcidas desfilando no Grupo Especial. O Corinthians, com a Gaviões da Fiel, e o Palmeiras, com a Mancha Verde, também estão neste grupo, mas essas equipes nunca passaram de uma só torcida.

Publicidade
Publicidade

Dragões da Real

Desde que chegou ao Grupo Especial do Carnaval de São Paulo, a Dragões da Real tem se destacado e figura entre as primeiras colocadas. Neste ano, o título foi perdido na última nota.

E isso só aconteceu porque a Liga das Escolas de Samba não permite que duas agremiações sejam campeãs. A Dragões conquistou 269,7 pontos, mesma pontuação da campeã, Acadêmicos do Tatuapé.

Torcida Independente

A Torcida Tricolor Independente foi expulsa do carnaval quando era apenas um bloco e estava nos grupos inferiores, em 2003, depois de uma briga que resultou na morte de um integrante da torcida corintiana Pavilhão Nove.

A Independente voltou ao carnaval anos depois e, desde então, vem galgando acessos. Em 2015, chegou ao Grupo de Acesso e sonhava com a classificação para o desfile do Grupo Especial, o que aconteceu neste ano.

Publicidade

A escola ficou na segunda posição, atrás da X-9 Paulistana, tradicional escola da Zona Norte, que retorna ao Grupo Especial depois da passagem pela divisão inferior.

No ano que vem, o carnaval de São Paulo terá quatro escolas de samba de torcidas organizadas – o maior número em toda a história. Anos atrás, apenas a Gaviões da Fiel figurava no carnaval. Depois, chegou a Mancha Verde. Na sequência surgiu, a Dragões da Real e, agora, a #Torcida Independente.

A presença de tantas torcidas organizadas, que muitas vezes contam com apoio de clubes, deixa as escolas de samba tradicionais preocupadas.