No que depender do governo do Estado de São Paulo, as marginais livres e os aeroportos seguirão abertos durante toda esta sexta-feira (28), durante a greve geral convocada por sindicatos e movimentos sociais contra as proposta de reforma da Previdência e direitos trabalhistas. Segundo o secretário da Segurança Pública do Estado, Mágino Alves, não será permitido o bloqueio do acesso a esses locais.

A declaração foi feita em uma entrevista para anunciar o esquema de segurança que será adotado durante o dia. Segundo o ele, as #Marginais são indispensáveis para a normalidade da vida na cidade e, por isso, não poderão ser interditadas.

Publicidade
Publicidade

Questionado sobre a possibilidade de reação da polícia contra os manifestantes, o secretário afirmou que não acredita em confrontos e que a intenção é que isso não ocorra.

O governador #Geraldo Alckmin disse, em outro evento, que caso a liminar que impede a #Greve da CPTM e do Metrô, conseguida pelo governo na Justiça, não seja obedecida, conta com funcionários que podem assumir o serviço. Segundo o governador, o direito de ir e vir das pessoas “não pode ficar subordinado à pauta política”. Sobre cortar o ponto de servidores que faltarem ao serviço, Alckmin disse que isso será analisado.

Sem expediente

A prefeitura de Iperó, cidade localizada na região de Sorocaba, no interior de São Paulo, determinou que não haverá expediente nesta sexta-feira (28), em virtude da greve geral. Apenas as repartições voltadas à segurança pública e vinculadas à Secretaria de Saúde e Transportes e Serviços Municipais permanecerão em funcionamento.

Publicidade

Dúvidas e insegurança

A greve geral tem sido o tema mais debatido ao longo da semana. Junto com as informações sobre o que deve parar e o que continuará funcionando, surgem também boatos, principalmente difundidos pelas redes sociais, que deixam em dúvida e assustam as pessoas.

Muitas delas não sabem se, ao menos, poderão comprar pão na padaria logo pela manhã e outras têm até medo de sair de casa, temendo algum tipo de agressão. Além da promessa de bloqueios de estradas e avenidas, já circulam na internet textos relatando que grupos estão se organizando para atacar estabelecimentos que estiverem com suas portas abertas e carros de pessoas que estejam indo para o trabalho. Por precaução, pais decidiram não enviar seus filhos à escola.

Em relação ao apoio ao movimento, muitas pessoas têm compartilhado em seus perfis mensagens afirmando que irão trabalhar na sexta-feira.