No início deste mês, uma câmera de segurança registrou o momento em que João Pedro Ataíde, de 16 anos, foi atropelado por um ônibus enquanto atravessava uma movimentada avenida do Parque São Bento, em #Sorocaba, no interior de São Paulo.

O motorista seguiu viagem sem prestar socorro, posteriormente justificando que não parou por não ter percebido que havia atingido o garoto. Após 13 dias internado no Hospital Regional de Sorocaba, o jovem teve alta no último dia 16. O pai do garoto, Agnaldo de Athaide, afirmou em entrevista ao Portal G1 que o pior já passou e que ficaram apenas “algumas coisinhas”, se referindo a consequências do #Acidente.

Publicidade
Publicidade

Veja o vídeo abaixo:

Agnaldo revelou que o filho precisou passar por cirurgia, porém ainda tem problemas em escutar com o ouvido esquerdo, que está com dificuldades para andar e sente dormência em uma das mãos. Ainda não existe um laudo médico que comprove as sequelas do #atropelamento e também não há previsão de quando ele possa voltar a estudar. O pai ainda diz que a URBES não ofereceu nenhum tipo de assistência.

A empresa que gerencia o transporte público na cidade se defendeu, alegando estar disponível e que não foi procurada pela família do adolescente. Com relação ao acidente, a empresa afirmou que o motorista foi ouvido pelo setor de disciplina e disse que não parou por não ter percebido que havia atingido João Pedro. As imagens do acidente também foram analisadas e o entendimento foi que não houve responsabilidade do condutor.

Publicidade

O veículo trafegava em baixa velocidade.

O acidente

Por volta das 7 hora da manhã do último dia 3, João Pedro Ataíde seguia a pé para o trabalho quando, ao tentar atravessar a Avenida Vinícius de Moraes, uma das mais movimentadas do Parque São Bento, foi atingido por um ônibus de transporte coletivo, que estava vazio. Como o motorista não parou, ele foi socorrido por pedestres, que chamaram o resgate. No local, não há faixa de pedestres.

O rapaz foi levado para o hospital em estado grave, com traumatismo craniano e teve que passar por cirurgia. Na ocasião, a empresa informou que soube do acidente apenas no dia seguinte, quando foi procurada por um irmão de João Pedro. Segundo a empresa, o veículo seguia a 40 quilômetros por hora.

Moradores do bairro reclamam que a via onde aconteceu o acidente não tem a devida sinalização. A URBES informou que está realizado um estudo para analisar a necessidade de se reforçar a sinalização da via.