As imagens de uma câmara de segurança flagraram o momento em que um ônibus desgovernado atinge um poste e outros sete veículos no cruzamento da Rua Paulo de Avelar com a Avenida Ataliba Leonel, no bairro Tucuruvi, na zona norte de #São Paulo. O #Acidente aconteceu na manhã desta quinta-feira (6) e deixou nove pessoas feridas.

.

Publicidade

Publicidade

Na gravação alguns carros estão parados no cruzamento e duas pessoas caminham pela calçada, em frente a uma padaria, quando de repente o ônibus surge em alta velocidade “varrendo” tudo que encontra pela frente. Primeiro ele arrancou um poste, em seguida bateu nos veículos e só foi parar ao bater em um segundo poste, que fica na esquina, o que evitou que o coletivo atravessasse a via e atingisse outros carros. Um das pessoas que estava na calçada chegou a ser atingida e por muito pouco não foi parar debaixo das rodas do ônibus. As pessoas que estavam no estabelecimento ficaram muito assustadas.

O homem atingido é o analista de sistema André Komesu, que acredita que o motorista tenha tentado desviar dos carros que estavam parados no cruzamento. Apesar da impressionante imagem, o rapaz sofreu apenas um ferimento na mão, além de rasgar a jaqueta e a mochila. Já o funcionário público Antônio Marcos Parlângelo estava em um dos carros que foi acertado pelo ônibus e contou o que sentiu: “Ouvi um barulho e na hora que olhei no retrovisor só vi meu carro sendo empurrado.

Publicidade

Não sabia o que estava acontecendo. Somente quando o carro parou que fui ver o estrago”, conta.

Por conta do acidente, nove viaturas do Corpo de Bombeiros foram mobilizadas e a AES Eletropaulo precisou interromper o fornecimento de energia para que a substituição dos postes danificados fosse feita. Os feridos foram levados para três hospitais da região.

Sofreu apagão

O motorista do ônibus causador do acidente se apresentou à Delegacia do Carandiru, onde explicou que sofreu um “apagão” e por isso perdeu o controle do coletivo. Ele revelou que sofre de convulsões, tendo ainda apresentado documento médico que comprovaria que ele teria tido um ataque convulsivo antes do acidente. De acordo com a polícia, a empresa tinha ciência do quadro compulsivo do funcionário e investigações apontarão se isso é compatível com a função que ele exercia. Após o acidente ele chegou a ser levado para o Hospital Geral de Guarulhos, onde recebeu atendimento, mas deixou o local sem receber alta. De acordo com a polícia isso não é considerado crime, uma vez que ele não estava detido. O acidente foi registrado como lesão corporal culposa na direção do veículo. #Onibus