O adolescente que teve a frase "eu sou ladrão e vacilão" tatuada na testa pelo tatuador Maycon Wesley Carvalho dos Reis, 27 anos, e filmado pelo pedreiro Ronildo Moreira de Araújo, 28, em São Bernardo do Campo/SP, negou ter tentado roubar a bicicleta de Ademilson de Oliveira, 31, e disse que ao ser tatuado sentiu vontade de morrer e começou a chorar.

Ademilson de Oliveira, dono da bicicleta que o adolescente tentou roubar, disse que não concordou com a punição que o tatuador Maycon e o pedreiro Ronildo aplicaram ao adolescente.

O adolescente está na Clínica Grand House, localizada em Mairiporã, fazendo tratamento contra o uso de entorpecente e álcool desde o dia 13 de junho e no dia 24 de junho, ele começou a fazer aplicação gratuita a laser para a remoção da #Tatuagem.

Publicidade
Publicidade

O crime ocorreu em junho de 2017.

A inscrição "eu sou ladrão e vacilão" permanece em sua testa, mas já começou a sair. O garoto ainda passará por nove sessões para a remoção da tatuagem e a expectativa é de que ela saia completamente de sua testa até o mês de março de 2018. A clínica que está fazendo a remoção da tatuagem do adolescente fica localizada no ABC Paulista e pediu para não ter o seu nome divulgado.

Réus

O tatuador Maycon Wesley Carvalho dos Reis e o pedreiro Ronildo Moreira de Araújo atualmente estão presos em Tremembé, que fica no interior de São Paulo. Eles precisaram ser transferidos para Tremembé por questão de segurança, pois no ABC Paulista eles estavam sendo ameaçados por detentos que não concordaram com o que eles fizeram com o adolescente que foi acusado de tentar roubar uma bicicleta.

Publicidade

A defesa do tatuador e do pedreiro pediu para que os dois pudessem responder o processo em liberdade, porém a #Justiça nego o pedido.

A polícia civil classificou o #Crime deles como tortura, mas o Ministério Público descordou e classificou o caso como crime de lesão, constrangimento e ameaça. A mãe do adolescente que teve a testa tatuada, Vânia Aparecida da Rocha, de 34 anos, se irritou com a decisão do Ministério Público e disse que se fosse filho de rico o crime seria classificado como tortura.

A audiência de instrução está marcada para o dia 12 de setembro e a juíza Daniela de Carvalho Duarte, que pertence à 5° vara criminal de São Bernardo do Campo/SP, decidirá se o tatuador Maycon Wesley Carvalho dos Reis e o pedreiro Ronildo Moreira de Araújo são culpados ou inocentes e se eles serão condenados ou absolvidos no caso.