Publicidade
Publicidade

Após ir a sozinha a uma linha de trem, na cidade de Jundiaí, interior de São Paulo [VIDEO], onde pretendia fazer uso de entorpecentes, uma mulher [VIDEO] de 34 anos acabou violentada por um homem desconhecido. O crime ocorreu na tarde da última quinta-feira (9), no bairro Parque Centenário.

Segundo Boletim de Ocorrências, a vítima foi encontrada por populares jogada no chão e então eles acionaram a polícia. A mulher relatou que era usuária de drogas e havia marcado com um amigo de se encontrarem no local para fazer uso de entorpecentes. Segundo ela, como o amigo não apareceu, ela decidiu ir embora, quando foi pega por um homem desconhecido que a jogou no chão.

Publicidade

O criminoso então a obrigou a deitar de barriga para baixo e com o cotovelo subiu em seu pescoço após subir em suas costas. Logo depois ele praticou a #Violência sexual.

Por ter lutado contra o #Estuprador, a mulher fraturou o braço. Ela foi levada para o Hospital São Vicente, onde está internada em observação, sem previsão de alta. Por conta de seu estado de saúde, o Boletim de Ocorrências foi elaborado apenas com base em seu depoimento. Ela terá seis meses para fazer a representação do caso na delegacia. O homem fugiu.

Suspeito de abusar do filho

Na cidade de Limeira, também no interior de São Paulo, um menino de sete anos foi abusado sexualmente e o suspeito de ter comedido o crime é o próprio pai do garoto, que foi preso e levado para um presídio de Sorocaba.

Segundo informações do Boletim de Ocorrência, o #Conselho Tutelar foi acionado após a diretora da escola onde o menino estuda desconfiar dos abusos, uma vez que ele apresentava sangramento.

Publicidade

Na Delegacia de Defesa da Mulher o menino contou sobre o abuso e disse que isso já teria ocorrido em outras ocasiões e, usando um bichinho de pelúcia, apontou para os conselheiros tutelares o local do corpo onde sofria o abuso.

Ele disse também que sua mãe tinha ciência do que acontecia, fato que foi negado por ela. “Estamos apurando o comportamento da mãe no caso, devido ao silêncio, e por ela não ter denunciado o marido, embora a mulher tenha relatado que também havia sido agredida no dia do abuso do filho”, disse a delegada Nilce Segala.

A delegada disse ainda que há indícios que ele maltratava toda a família e que já teria se passado por cego para pedir esmola em São Paulo. Ela revelou ainda que a criança pediu para que não contasse para o pai que ele havia falado, pois o mesmo era muito bravo. O menino foi levado para a casa de parentes, em outra cidade, e receberá atendimento de psicólogos.